Ataque em Sofala: Polícia suspeita de dissidentes da RENAMO | Moçambique | DW | 24.10.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Ataque em Sofala: Polícia suspeita de dissidentes da RENAMO

Polícia confirma a morte de um agente da corporação num ataque ocorrido na quarta-feira, na região de Mecombezi, província de Sofala.

Mecombezi, província de Sofala, local onde ocorreu o ataque

Mecombezi, província de Sofala, local onde ocorreu o ataque

A polícia confirma a morte de um agente da corporação num ataque ocorrido na quarta-feira (24.10), na região de Mecombezi, na província de Sofala, centro do país.

A polícia suspeita que os autores do ataque são dissidentes do maior partido da oposição, a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO).

O porta-voz do comando provincial da Polícia da República de Moçambique (PRM), Daniel Macuácua, disse que o ataque "foi protagonizado por indivíduos armados, que se presume pertencerem à [autoproclamada] Junta Militar da RENAMO, que é liderada por Mariano Nhongo."

A polícia garantiu que, depois do ataque, foi enviada uma equipa para o local e o "trabalho realizado terminou com a detenção de um indivíduo, suspeito de pertencer a este grupo."

Macuácua garantiu que foi apreendida uma viatura e duas motorizadas que teriam sido usadas pelos atacantes.

Ouvir o áudio 02:32

Ataque em Sofala: Polícia suspeita de dissidentes da RENAMO

Testemunhas viram ataques a dois veículos

Testemunhas ouvidas pela DW contam que os homens armados dispararam, na quarta-feira de manhã, contra um camião de mercadorias e contra um veículo da polícia, junto ao posto administrativo de Púngué, entre os distritos de Nhamatanda e Gorongosa.

Um morador disse que estava na sua machamba quando ouviu vários tiros, seguidos de fumo. O carro patrulha, de marca Mahindra, foi incendiado. 

A região já foi alvo de quatro ataques armados protagonizados por homens não identificados. Segundo os populares, a zona tem sido fortemente patrulhada pela PRM.

 

Leia mais