Angola: Libertados três jornalistas e um motorista detidos em manifestação | Angola | DW | 26.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: Libertados três jornalistas e um motorista detidos em manifestação

A libertação aconteceu na tarde desta segunda-feira (26.20), de acordo com o presidente do Sindicato de Jornalistas de Angola. Os jornalistas e motorista foram detidos no sábado (24.10), durante manifestação em Luanda.

Angola Luanda | Demonstration | Gegen Polizeigewalt

Manifestação contra a violência polícial em Luanda, sábado (24.10)

Questionado sobre se houve explicações para a detenção ou alguma acusação formal, Teixeira Cândido, presidente do Sindicato dos Jornalistas de Angola (SJA), disse que não foram prestados esclarecimentos.

E Cândido disse que o sindicato está a preparar um comunicado sobre o assunto, que irá divulgar em breve. 

 Inicialmente tinham sido detidos seis jornalistas, mas três foram entretanto libertados.  

Angola Teixeira Cândido

Angola Teixeira Cândido, presidente do SJA

A tentativa de uma manifestação organizada por jovens da sociedade civil, com apoio de dirigentes do maior partido da oposição angolana - União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) -, foi frustrada pelas autoridades, tendo resultado em 103 detenções, ferimentos de polícias, e de manifestantes em números não revelados, além da destruição de meios das forças da ordem.

 Os protestos ficaram marcados também pelo arremessar de pedras, colocação de barricadas na estrada com contentores de lixo e pneus a arder pelos manifestantes.

A marcha, convocada por ativistas da sociedade civil, contou com a adesão da UNITA e outras forças da oposição e visava reivindicar melhores condições de vida, mais emprego e a realização das primeiras eleições autárquicas no país.

Assistir ao vídeo 00:44

Luanda: "Governo assassino, acaba de me matar"

Leia mais