Angola: ″Estamos a beber água do lixo″ | Angola | DW | 20.04.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Angola: "Estamos a beber água do lixo"

Já é um problema antigo em Luanda, mas agrava-se com a Covid-19: sem água potável, famílias têm de desafiar medidas de restrição para garantir sobrevivência. Água imprópria e especulação de preços estão na ordem do dia.

Falta de água potável é um problema antigo em Luanda (foto de arquivo)

Falta de água potável é um problema antigo em Luanda (foto de arquivo)

Famílias vulneráveis em Luanda afirmam que as suas condições de vida estão a piorar a cada dia que passa devido às restrições impostas aos cidadãos como medida de prevenção contra a pandemia do novo coronavírus.

Devido à fraca distribuição de água nalgumas zonas de Luanda, há pessoas que se têm deslocado a outros bairros à procura de água, apesar do estado de emergência, que vigora em Angola desde 27 de março.

Alguns habitantes desafiam o perigo que a Covid-19 apresenta e aventuram-se pelas ruas, alegando que vão à procura de dinheiro para pagar água e comida.

Apoio do Governo não chega a todos

A DW África visitou os bairros Rio Seco e Maie Maie, duas comunidades carentes no município angolano de Cacuaco. Aqui, os moradores denunciam que continuam a não ter acesso a água - alguns são obrigados a consumir água imprópria. "É água da lagoa que consumimos e, quando chove, todo o lixo da zona vai para a água”, diz Luís Domingos Sebastião, morador do Rio Seco. E mesmo esta água imprópria para consumo é difícil de conseguir, explica, "porque há muita enchente. À noite, as pessoas não dormem porque têm de ir buscar água”.

O Governo prometeu abastecimento gratuito nos bairros onde há carência de água. Ainda assim, há zonas onde não se veem as viaturas de distribuição.

Francisco Zumbi, desempregado, conta que o prometido abastecimento não chega à sua comunidade há duas semanas: "Estamos a beber água do lixo".

Angola: Regeln gegen Covid-19 werden nicht eingehalten

Novas regras nem sempre são respeitadas em Luanda

Confinados sem comida

Vânia Mateus, moradora do bairro Rico Seco há sete anos, depende de ajudas para ter comida em casa. Durante a entrevista à DW, a jovem afirmou que os seus dois filhos não tinham jantado e nem sabia o que seria o almoço.

"Estou mesmo à rasca porque não tenho como sustentar a minha família. Estou há quatro meses sem salário e com esta doença não tenho como ir ao mercado. Assim como estou, não tenho nada para comer", disse a jovem.

E a história repete-se: Helena José vendia pastéis à porta de casa, mas o negócio está parado desde o estado de emergência. Entretanto, perdeu o pouco dinheiro que ganhou. Agora, só come "quizaca" - folhas de mandioca.

"Estamos aqui em quarentena sem comida. Por exemplo, ontem eu e os meus filhos jantámos quizaca sem funge. A minha casa é de bloco. Quando os bons samaritanos doam comida, nós, das casas de bloco, não somos beneficiados. Não sei se o bloco vai ter o que comer. Daqui, só em Deus podemos confiar", lamentou a moradora do Maie Maie, em Cacuaco.

Especulação preocupa ONG

O diretor-geral da ONG angolana Acção para Desenvolvimento Rural e Ambiental (ADRA), Carlos Cambuta, denuncia que, além da má distribuição da água, há também especulações no preço:

"Para ter uma ideia, há bairros que estão a comercializar 25 litros de água a 250 kwanzas (cerca de €0,40), num momento em que as famílias não estão efetivamente a produzir."

Carlos Cambuta recorda ainda que boa parte da população dedica-se ao mercado informal, "portanto, são famílias que gastam o que ganham no mesmo dia."

O Governo prometeu também distribuir alimentação aos carenciados e já está a receber doações de diferentes instituições para as comunidades pobres. Segundo o diretor-geral da ADRA, o Executivo devia fazer uma parceria com a sociedade a civil para identificar as famílias que precisam de ser apoiadas com  a cesta básica e "fazer as coisas em conjunto, assegurar que a responsabilidade da distribuição não seja apenas das administrações do Estado, que envolva também autores locais."

"Estamos a falar das igrejas, as organizações comunitárias, que são as cooperativas, as associações, as comissões de moradores, as ONG e entre outras formas de organizações comunitárias que nos parecem ser importantes porque vivem nas comunidades, e portanto, sabem quais são as famílias que enfrentam momentos mais difíceis do ponto de vista do acesso à alimentação. Assim, será mais fácil assegurar que estas cestas básicas cheguem realmente às famílias carenciadas", considera o diretor da ADRA.

Leia mais