Angola ″continuará a pagar″ internamento de José Eduardo dos Santos | NOTÍCIAS | DW | 30.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Angola "continuará a pagar" internamento de José Eduardo dos Santos

O ministro das Relações Exteriores, Téte António, diz que o Executivo vai continuar a assumir as suas responsabilidades. E nega que haja objetivo de desligar o suporte de vida do ex-Presidente José Eduardo dos Santos.

"Não", o Governo angolano não vai dizer aos médicos para desligarem as máquinas que suportam a vida do ex-Presidente José Eduardo dos Santos.

A garantia foi dada aos jornalistas esta quinta-feira (30.06) pelo ministro das Relações Exteriores, Téte António, que disse ter-se deslocado à cidade espanhola de Barcelona a pedido do Presidente João Lourenço para se inteirar do estado de saúde de Eduardo dos Santos.

O chefe da diplomacia não quis avançar detalhes sobre a atual condição do antigo Presidente da República. "São detalhes dados geralmente pelos médicos", explicou.

"A decisão é geralmente da família"

Esta semana, Tchizé dos Santos disse que não iria permitir que as máquinas fossem desligadas. A filha do antigo chefe de Estado angolano terá mesmo contratado uma advogada espanhola para assegurar que isso não aconteça.

Tchizé dos Santos, filha do ex-Presidente angolano, José Eduardo dos Santos

Tchizé dos Santos disse, esta semana, que, como filha, nunca permitirá "que desliguem as máquinas de um pai vivo, que tem o coração a bater normalmente"

"Quem aqui pode decidir são as filhas, que representamos, e que não querem desligar as máquinas do pai", afirmou a advogada Cármen Varela num áudio a que a DW África teve acesso.

O ministro das Relações Exteriores, Téte António, assegurou esta quinta-feira que o Governo não tem qualquer intenção de fazer isso.

"Quando se chega em circunstâncias dessas, a decisão é geralmente da família. Por outro lado, somos africanos, temos uma certa cultura que até nem conduz a esse tipo de hipóteses", afirmou o diplomata.

Estado angolano pagará os custos

Ao mesmo tempo, Téte António negou informações de que a família passaria a assumir os custos do internamento de José Eduardo dos Santos na clínica onde está internado.

"A responsabilidade em relação aos custos é totalmente do Governo angolano. Continuará sempre a ser. Reparem que se trata de um ex-Presidente da República. O Governo da República de Angola tem responsabilidades acrescidas quando se trata de situações do género, e nós vamos continuar a assumir essas responsabilidades," garantiu.

O estado de saúde de José Eduardo dos Santos, de 79 anos de idade, agravou-se esta semana. O ex-chefe de Estado está nos cuidados intensivos de uma clínica em Barcelona e encontra-se em coma, após uma queda.
Artigo atualizado às 20:37 de 30 de dezembro de 2022.

Leia mais