Analista acha que transição da Guiné-Bissau quer desviar atenções | Guiné-Bissau | DW | 22.10.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Analista acha que transição da Guiné-Bissau quer desviar atenções

Para Paulo Gorjão (IPRIS), acusação do governo de transição a Portugal, comunidade lusófona e ex-primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior de orquestrar ataque a elite militar desvia discussão sobre instabilidade política.

Imagem mostra corpo de soldado morto durante ataque a unidade de elite do Exército bissau-guineense

Imagem mostra corpo de soldado morto durante ataque a unidade de elite do Exército bissau-guineense

Um grupo de militares invadiu esta segunda-feira (22.10) duas vezes a sede do PAIGC, principal partido da Guiné-Bissau, e levou à força Iancuba Indjai, líder do Partido da Solidariedade e Trabalho (PST), segundo disse à agência noticiosa LUSA uma fonte do PAIGC.

Iancuba Indjai é um dos líderes da Frenagolpe (plataforma criada por
partidos e organizações da sociedade civil) que condena o golpe militar de Estado
de 12.04, que derrubou o governo do então primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior, candidato à segunda volta das eleições presidenciais, e o então presidente interino Raimundo Pereira.

Ainda segundo a testemunha ouvida pela LUSA, os militares, alguns à paisana e outros fardados, entraram na sede do partido dizendo que estavam à procura de pessoas. Os dirigentes do PAIGC continuam reunidos na sede para preparar um comunicado sobre os últimos acontecimentos no país.

Na madrugada de domingo, um grupo de homens armados tentou tomar pela força o quartel dos para-comandos, uma unidade de elite das forças armadas da Guiné-Bissau, tendo resultado seis mortos dos confrontos, todos do grupo assaltante (leia mais detalhes aqui).

A DW África falou com Paulo Gorjão, analista do Instituto Português de Relações Internacionais e Segurança (IPRIS), sobre o que poderá ter motivado o ataque à unidade de elite do Exército bissau-guineense.

DW África: O que acha que motivou o ataque ao quartel dos para-comandos?

Paulo Gorjão:
Não sei o que, em concreto, poderá ter motivado o ataque. Parece-me que acaba por ser pouco relevante no contexto. Eu acho que seria uma questão de tempo até que ocorresse uma situação deste género. Poderia ter sido este pretexto – que vem na comunicação social – que o intuito passava por roubar armamento ou que poderia ter que ver com as recentes promoções. Ou seja: acaba por ser um pouco irrelevante porque, fosse este ou outro motivo qualquer, acabaria por existir sempre um motivo. O que me parece relevante para a questão é o quadro de instabilidade política, militar e social que se vive na Guiné-Bissau desde o golpe de Estado de abril.

DW África: As autoridades guineenses, na voz de Fernando Vaz, ministro da Comunicação e porta-voz do governo de transição, acusaram Portugal, a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e o primeiro-ministro deposto, Carlos Gomes Júnior, de estarem por trás, ou de alguma forma apoiar, aquilo que eles chamam de uma "tentativa de golpe de Estado". O que tem a dizer a isto?

PG:
Acho que isso é uma estratégia clássica de querer encontrar um bode expiatório externo para unir as "tropas" – ou seja, os apoiantes – desta solução. Mas que esta acusação não tem absolutamente nenhum fundamento, ou seja, acho que nenhuma pessoa com um mínimo bom senso não está a ver a CPLP ou Portugal – e eu até diria Carlos Gomes Júnior – a envolver-se diretamente, seja através do financiamento ou do planeamento de um golpe de Estado na Guiné-Bissau. Isso não cabe na cabeça de ninguém. Acho que essas declarações correspondem a uma necessidade estritamente de ordem interna do atual governo e não mais do que isso.

DW África: Como resolver a crónica instabilidade na Guiné-Bissau? Há uma solução para tal?

Foto mostra chefe do Estado Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau, António Indjai (de azul), após ataque a unidade de elite do Exército

Foto mostra chefe do Estado Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau, António Indjai (de azul), após ataque a unidade de elite do Exército

PG: Há o que tem que ser feito no curto prazo e depois uma estratégia de longo prazo. O que tem que ser feito no curto prazo e o que está, neste momento, a procurar fazer-se, é encontrar uma solução que consiga reunir um consenso mínimo e que envolva a [Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental,] CEDEAO e a CPLP, portanto reformular a presença estrangeira na Guiné-Bissau - muito possivelmente com o aval de uma resolução do Conselho de Segurança [das Nações Unidas], diretamente previsionada pelas Nações Unidas ou no âmbito da União Africana. Uma solução de imediato, ou seja, desbloquear a situação [política atual na Guiné-Bissau] tem que passar por aí.

Não me parece que esta opressão no terreno, sob a égide da CEDEAO, tenha capacidade para durar muito tempo no terreno, ou seja, não tem recursos. É uma missão que não tem legitimidade aos olhos de parte dos stakeholders que diretamente se interessam pela Guiné-Bissau, em particular do ponto de vista da CPLP, da União Africana e da União Europeia. A própria missão não tem capacidade, [ou seja,] os membros da CEDEAO não têm capacidade para financiar [a missão] durante muito tempo, portanto a solução presente é uma solução instável.

É suposto encontrar uma solução com uma legitimidade renovada e mais abrangente para poder desbloquear esta situação.

No longo prazo, eu julgo que a solução é conhecida há muito tempo, e passa por uma muito falada reforma do setor de segurança, que tem vindo a ser sucessivamente adiada por razões diversas. Eu não vejo solução estável e duradoura sem essa reforma do setor de segurança. Admito, também, que isso, por si só, não resolva todos os problemas da Guiné-Bissau, e esses problemas são muitos, pela instrução, pelas condições de vida das pessoas etc. Mas, seguramente, se olharmos para o que se passa na Guiné-Bissau, o foco de instabilidade têm sido, reiteradamente, as Forças Armadas.

Entrevista: Helena Ferro de Gouveia
Edição: Renate Krieger (com LUSA)/António Rocha

Ouvir o áudio 04:08

Entrevista com Paulo Gorjão, do Instituto Português de Relações Internacionais e Segurança (IPRIS)

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados