Alemanha apoia digitalização de filmes moçambicanos | Moçambique | DW | 17.09.2012

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Alemanha apoia digitalização de filmes moçambicanos

O Instituto Cultural Moçambique Alemanha acaba de lançar um conjunto de filmes digitalizados do arquivo do Instituto Nacional de Cinema. Em Maputo, alguns dos filmes já foram vistos no festival Dockanema.

Moçambique Kuxa Kanema

Moçambique Kuxa Kanema

O sétimo festival do filme documentário ou Dockanema ocupará os palcos de Maputo também com poesia, música e exposições fotográficas até Novembro.

Neste fim de semana (15.09.12 – 16.09.12) foi projectado "Kuxa Kanema", documentário dos anos oitenta do arquivo do Instituto Nacional do Cinema, digitalizado na Alemanha, no âmbito de uma parceria entre a Universidade Eduardo Mondlane e a Univeridade Alemã de Bayreuth.

Maputo revive "Kuxa Kanema"

Naquela época, quem fosse ao cinema, antes deliciava-se com "kuxa kanema" que retratava diversos assuntos sociais, culturais e políticos e, só depois disso, via o filme de cartaz. O destaque ía para as visitas a algumas instituições do Estado, do primeiro presidente de Moçambique, Samora Machel, e as suas inquietações.

Embaixador da Alemanha em Moçambique, Ulrich Klocner

Embaixador da Alemanha em Moçambique, Ulrich Klocner

A digitalização dos documentários foi possível graças ao apoio do governo alemão, disse o embaixador da Alemanha em Moçambique, Ulrich Klocner para quem o evento "visa promover a cultura moçambicana".

Os arquivos do Instituto Nacional de Cinema – INAC – podem servir de material histórico importante que mostra o percurso cinematográfico do país. E na visão da professora da Universidade de Bayreuth, Ute Fendler, os arquivos do INAC poderão servir de fontes de estudos académicos em perspectivas diferentes como "a história, estudos culturais e também a comunicação".

Cineastas moçambicanos satisfeitos

Foram apresentados assim os primeiros resultados desta cooperação entre as três instituições, nomemadamente a Universidade Eduardo Mondlane, o Instituto Cultural Moçambique Alemanha.

Alguns cienastas moçambicanos esperam que os materiais digitalizados cheguem o mais rapidamente possível às comunidades rurais, por causa do seu valor histórico.

Público no Festival de Cinema - Dokanema - em Maputo

Público no Festival de Cinema - Dokanema - em Maputo

"A ideia era encontrar todo o povo e de uma única vez [e] viam coisas muito importantes", disse o cineasta José Nhantumbo, recordando os "kuxa kunema" que, na altura, eram exibidos em centros, onde se realizavam reuniões do partido FRELIMO conhecidos, em Moçambique, por Grupos Dinamizadores.

Uma vez que os documentários moçambicanos poucas vezes chegam às populações das zonas rurais, normalmente por causas que têm a ver com as condições financeiras e os formatos dos materiais, Izarde Pindula acredita que, se estes filmes fossem levados a essas comunidades, "poderiam preencher um vazio a nível cultural."

Ouvir o áudio 03:24

Alemanha apoia digitalização de filmes moçambicanos

Leia mais