Afinal os Direitos Humanos não são para todos? | Educação: Learning by Ear - Aprender de Ouvido | DW | 14.03.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Educação

Afinal os Direitos Humanos não são para todos?

Segundo as Nações Unidas, os direitos humanos são universais. Estes, porém, são violados em alguns países africanos. Cada episódio aborda um direito humano fundamental e apresenta uma pessoa que luta por ele.

Em muitos países africanos, os direitos humanos não são respeitados

Em muitos países africanos, os direitos humanos não são respeitados

Segundo as Nações Unidas, os direitos humanos são universais. Estes, porém, são violados em alguns países africanos. Cada episódio aborda um direito humano fundamental e apresenta uma pessoa corajosa que luta por ele.

“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos.” É o que proclama o artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos Humanos. Mas em muitos países esses direitos estão a ser violados. Nesta série, conhecemos pessoas de todo o continente africano que defendem os seus direitos.

Kankou Sakiliba, do Mali, foi forçada a casar com um homem quase 40 anos mais velho do que ela. Mas ela ainda não perdeu a esperança de que a sua situação possa mudar. Vamos saber mais sobre a sua situação e ficar a conhecer uma organização que luta pelo direito da mulher a escolher o seu próprio marido, sem a influência ou a pressão dos seus familiares.

Também vamos conhecer Michael Mamabolo, que ajuda os moradores de um bairro de lata em Joanesburgo a construir as suas próprias casas e a lutar pelo direito à habitação. E ainda Ngozi Haruna, da Nigéria. Esta mulher de 24 anos é cristã, mas é casada com um muçulmano que não aceita a sua religião. Por isso, tem de ir à sua igreja às escondidas. Existe uma organização não governamental que apoia mulheres como ela na luta pelos seus direitos.

A série “Afinal os direitos humanos não são para todos?” também chama a atenção para a importância de tratar o outro com respeito e para a defesa dos direitos de outras pessoas contra qualquer violação.

O “Learning by Ear – Aprender de Ouvido” está disponível em seis línguas: amárico, francês, hauçá, inglês, português e suaíli.

Leia mais