″A Guiné-Bissau tem um Estado completamente policial″, diz Aly Silva | Guiné-Bissau | DW | 07.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

"A Guiné-Bissau tem um Estado completamente policial", diz Aly Silva

Aly Silva está em Portugal para tratamento depois de ter sido espancado alegadamente por motivos políticos. Jornalista diz que Liga Guineense dos Direitos Humanos trabalha para identificar responsáveis pela agressão.

O jornalista Aly Silva está convencido de que a violação dos direitos humanos e a obstrução do exercício democrático são evidentes na Guiné-Bissau.

Em março, o jornalista foi raptado, espancado e abandonado numa zona industrial de Bissau. Ativistas suspeitam que o crime teria ocorrido a mando do Presidente Umaro Sissoco Embaló. O chefe de Estado, entretanto, nega qualquer envolvimento no caso.

"Não há liberdade nenhuma. A Guiné-Bissau tem um Estado completamente policial", comenta o jornalista em entrevista à DW África, em Lisboa, garantindo que a Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) está a reunir provas para avançar com uma queixa-crime.

Guinea-Bissau Präsident Umaro Sissoco Embaló

Presidente Sissoco Embaló nega qualquer envolvimento no espancamento de Aly Silva

Aly Silva está na capital portuguesa para tratamento médico depois do incidente. O jornalista explica que, antes de deixar Bissau, ao ser reconhecido, as autoridades aeroportuárias retiveram o seu passaporte. O documento foi devolvido de seguida.

"Bom, para mim é como se fosse uma peça de teatro, porque proibiram muita gente de sair [do país] sem qualquer ordem judicial. E foi o que o diretor de Fronteiras do Aeroporto disse: 'Não tenho ordens para que o Aly não saia. Portanto, entra no avião e vai à tua vida'. E vim-me embora", disse. 

"Estado policial e assustador"

Para Aly Silva, tem havido um foco excessivo do Governo no apetrechamento das forças de defesa e segurança. O Estado parece servir apenas para "pôr polícias e câmaras nas ruas sem autorização do Parlamento", avalia o jornalista.

"Ninguém sabe como é que os dados [privados] são tratados, se são enviados para países terceiros. Quer dizer, vivemos um Estado completamente policial e assustador."

Enquanto isso, "não há hospitais em condições. Passámos quase um ano sem aulas, com greves. A função pública está em greve há nove meses."

Quem está por trás do rapto?

Na altura em que foi raptado, desconhecia-se as circunstâncias que motivaram o crime. Na altura, Silva apontou o dedo ao Presidente Umaro Sissoco Embaló e, hoje, reitera a acusação.

 

Interview mit dem Journalisten Aly Silva

Aly Silva falou para a DW África em Lisboa

"Mantenho a acusação. Nós estamos a trabalhar para tentar identificar pelo menos uma pessoa e depois, então, acionar os mecanismos para que essa pessoa seja conduzida à justiça e talvez chamar as outras", explica.

Aly Silva confessa que resolveu não fazer queixa para não ser mais humilhado. Quem avançou com um processo judicial foi a LGDH: "O mais estranho é que, no dia em que a queixa foi formulada, eles tinham lá infiltrados na audição. Fiz referência a um hotel chinês que tinha câmaras que filmaram tudo. Dois dias depois, retiraram as câmaras e desapareceram com o gravador de dados. Portanto, isso só prova que foram eles", revela. 

Aparentando tranquilidade, o jornalista diz que regressa esta semana a Bissau, mas deverá voltar a Portugal para continuar com os tratamentos. Silva receia que, à luz de vários episódios do género, possam começar a "aparecer cadáveres" nas ruas de Bissau. 

"Sim, é mais uma metáfora para dizer às pessoas que a situação dos direitos humanos e da falta de democracia no país é por demais evidente. Só uma pessoa é que manda; uma pessoa é que impõe. Parece que o Parlamento não existe. Parece que os guineenses são só números. E estamos assim há mais de um ano", protesta.

Sem esperanças quanto ao futuro do país, Aly Silva avisa países como Portugal - que, segundo ele, estariam "a pactuar com este regime brutal e repressivo" - para terem cuidado, porque têm cidadãos na Guiné-Bissau.

 

Assistir ao vídeo 01:11

União para a Mudança denuncia estado de terror e ditadura na Guiné-Bissau

Leia mais