África: Cada vez mais países proíbem consumo de shisha | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 15.04.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

África: Cada vez mais países proíbem consumo de shisha

Os Camarões proibiram, recentemente, o consumo de shisha no país. No entanto, o controlo desta proibição, segundo a experiência do Quénia, traz alguns desafios.

Wasserpfeife in Afrika | Sudan Khartum

O norte de África é uma das regiões do continente onde a shisha tem mais adeptos

O Porte Jaune d'Akwa é um bar bastante frequentado na cidade de Douala, nos Camarões. Ao entrar, sente-se o fumo do tabaco no ar. Muitos jovens vêm aqui beber licores e comer a especialidade da casa: carne assada na grelha. Mas hoje nem tudo é como de costume, falta uma coisa: os tubos para fumar shisha. Desde meados de março, este deixou de ser um produto oferecido neste bar - o governo dos Camarões proibiu o seu consumo no país, depois de um estudo do Ministério da Saúde ter revelado que 46% dos jovens do país fumam esta substância.

Anatole Kompi, cliente do bar Porte Jaune d'Akwa, não esconde a sua satisfação: "É bom para os nossos filhos", diz à DW.

Já Rodrigue Tchoyem é da opinião que o "governo tomou esta decisão muito tarde". "Mesmo o jogo devia ser proibido até aos 21 anos porque com essa idade muitos jovens ainda dependems dos pais”, diz.

A shisha é uma mistura de tabaco com melaço, glicerina e aromatizantes que se fuma através de um cachimbo de água. Nos Camarões, tal como em vários outros países africanos, é um vício para muitos jovens.

Gustave Tchantcho Ewane, dono do Porte Jaune d'Akwa, confirma isso mesmo."Não sei como é que os jovens conseguem consumir shisha desta forma", confessa à DW.

Wasserpfeife in Afrika | Südafrika bei Johannesburg

A shisha é uma mistura de tabaco com melaço, glicerina e aromatizantes que se fuma através de um cachimbo de água

Quando questionado sobre os impactos que a sua proibição terá no negócio, o proprietário confessa que a medida atingiu o setor "de surpresa". No entanto, garante, os vendedores estão a respeitá-la.

"Com o tempo, e após visitas e informações de alguns especialistas de saúde, percebemos que a shisha não é boa. E por isso aceitamos a decisão", diz.

Segundo a British Heart Foundation, existe ainda a ideia "errada" de que a shisha não é tão prejudicial à saúde como o tabaco, no entanto, frisa esta fundação no seu website, "uma hora a fumar shisha é o equivalente a fumar 100 cigarros".

Também Bruno Tengang, médico do Centro de Doenças Respiratórias de Douala, sublinha os perigos desta substância. "Para além da nicotina, existem outras 250 substâncias nocivas no tabaco. Alguém que deixe de fumar precisa de cerca de dez anos para recuperar a capacidade pulmonar de um não fumador".

Portanto, cada vez mais países estão a proibir o seu consumo. Quando comparado com outros países, os Camarões estão atrasados pois, como nota Joel Gitali, presidente de uma organização civil em Nairobi, países como o Gana, Gâmbia, Tanzânia, Uganda, Guiné e o Quénia a proibição do consumo de shisha está em vigor há muitos anos.

O Quénia, por exemplo, proibiu a shisha em 2017. "Quem importa, fabrica, consome, vende ou é encontrado com acessórios relacionados com o fumo de shisha pode incorrer num processo judicial", conta o ativista.

Quénia: recaída após proibição

Segundo Joel Gitali, "quando a shisha foi proíbida no Quénia, o seu consumo caiu para um nível baixo. Um estudo realizado pela nossa associação em Nairobi mostrou inicialmente uma taxa de aceitação da proibição de mais de 81%".

No entanto, acrescenta o ativista, tem "havido uma espécie de recuo". "Em alguns bares e restaurantes, diz ele, "cujos proprietários têm boas relações com funcionários do governo que aceitam subornos, o consumo clandestino de shisha está a voltar".

Wasserpfeife in Afrika | Sudan Khartum

Partilhar tubos de shisha é desaconselhado, também por causa do coronavírus

Felizmente, esta não é uma tendência global. Segundo o Centro para o Controlo do Tabaco em África (CTCA), nos países cuja proibição da shisha está em vigor, a tendência é para a diminuição do seu consumo.

Jim Arinaitwe, do CTCA, afirma que no Uganda, o seu país, a proibição de shisha tem sido cumprida. "As autoridades confiscaram em várias ocasiões tubos de shisha e queimaram-nos em público, detendo os proprietários dos bares ou centros de eventos responsáveis pela sua venda", conta.

Uganda e Nigéria: necessária mais sensibilização

No entanto, a ignorância dos jovens sobre os perigos para a saúde do consumo desta substância ainda é assustadora: um estudo realizado a jovens adultos (18-30 anos) em Kampala , conduzido pela Universidade de Makerere em 2018, mostrou que mais de 80% dos jovens não conhecia os perigos para a saúde da shisha. 85% dos inquiridos afirmaram até já ter partilhado o chachimbo enquanto fumavam.

Segundo o Centro para o Controlo do Tabaco em África, a shisha continua a ser legal em demasiados países. Na Nigéria, por exemplo, esta continua a ser uma tendência perigosa. Em entrevista à DW, o farmacêutico Adaku Efuribe, frisa que "quando as pessoas fumam shisha, misturam-na com muitas substâncias aromatizadas, que podem saber bem, mas que contêm os químicos nocivos presentes nos cigarros. A shisha deve ser proíbida", defende.

"Precisamos de criar mais consciência, porque fumar shisha aumenta o risco de contrair cancro do pulmão", conclui o farmacêutico.

Shisha: passatempo inofensivo ou droga perigosa?