Tsipras declara dívida grega ″problema europeu″ | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 11.09.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Tsipras declara dívida grega "problema europeu"

Chefe de governo da Grécia responsabiliza discordâncias entre FMI e UE por atraso na recuperação de seu país. Fundo Monetário Internacional questiona se débito grego é sustentável.

Premiê grego Alexis Tsipras fala no Parlamento

Premiê Tsipras culpa credores internacionais por atraso em recuperação grega

A disputa entre o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a União Europeia sobre como tornar mais sustentável a dívida da Grécia está prejudicando o país, ao atrasar sua recuperação, afirmou neste domingo (11/09) o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

"Estamos mais próximos do que nunca de uma solução desta crise. O que atrasa o esforço para recuperar a confiança dos mercados, é o constante desacordo entre as instituições europeias e o FMI", criticou em entrevista coletiva na Feira Internacional de Tessalônica.

O chefe de governo esquerdista enfatizou que o FMI colocou um prazo até o fim deste ano. "Um país que atravessou um ajuste tão rigoroso, não pode esperar mais: seu povo tem direito a uma solução justa para a questão da dívida. O problema grego é um problema europeu."

O FMI anunciou que deixará de financiar o resgate financeiro da Grécia se esta não aplicar as medidas da UE projetadas para cortar a volumosa dívida nacional. No entanto, os credores do fundo internacional e da União Europeia discordam sobre até que ponto reformas constantes são a receita adequada para Atenas melhorar suas finanças.

O comissário da UE para Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici, lembrou que a Grécia só implementou, até agora, duas das 15 reformas propostas. O FMI coloca esse como cumprimento como pré-condição para liberar 2,8 bilhões de euros em créditos ao país. Desse sucesso depende, também, a participação grega nas negociações para corte de dívida, ainda este ano.

Questionando se o débito grego é sustentável, o FMI ainda não decidiu se participará de um terceiro programa internacional de resgate, para o qual Atenas se inscreveu em meados de 2015. O país tem atualmente a maior dívida da zona do euro, excedendo 170% de seu PIB.

Neste sábado, cerca de 14 mil cidadãos protestaram contra as medidas de austeridade nas ruas de Tessalônica, a segunda maior cidade grega.

AV/rtr,afp

Leia mais