Parlamento grego aprova novas medidas de austeridade | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 22.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Parlamento grego aprova novas medidas de austeridade

Conjunto de reformas imposto por credores prevê fundo de privatizações e aumento de impostos. Lei aprovada com votos majoritários da coalizão de Tsipras é contrapartida da nova parcela do programa de resgate ao país.

O Parlamento grego aprovou neste domingo (22/05) as medidas de austeridade exigidas pelos credores internacionais para a concessão de uma nova parcela do terceiro programa de resgate ao país. A negociação foi feita em 2015.

"Hoje termina um período difícil para o país e damos o primeiro passo para sair da crise, um período que também terá as suas dificuldades", afirmou o primeiro-ministro Alexis Tsipras. "Os parceiros europeus recebem a mensagem de que a Grécia respeita os seus compromissos, e agora eles devem demonstrar que respeitam os seus."

Os ministros das Finanças da zona do euro se reúnem na terça-feira para avaliar um possível alívio da dívida grega, defendido pelo Fundo Monetário Internacional (FMI).

O projeto aprovado pelos parlamentares gregos prevê aceleração de privatizações, a liberação da venda de fundos de investimento e o aumento de impostos, que vai afetar os setores de alimentos, transporte público e turismo.

Com o IVA (imposto sobre valor agregado) e outras taxações, o governo pretende arrecadar 1,8 milhão de euros por ano.

A nova lei também estabelece um novo fundo de privatizações. A estratégia inclui um mecanismo de contingência que cortará despesas caso o país corra o risco de não cumprir o superávit primário.

Durante a votação apertada, com 153 votos a favor e 145 contra, cerca de 10 mil pessoas fizeram um protesto contra a aprovação das medidas de austeridade. Todos os parlamentares da coalizão de esquerda formada pelo primeiro-ministro Alexis Tsipras (Syriza e partido Independente) foram favoráveis ao projeto.

KG/dpa/lusa

Leia mais