Trump promete acordo comercial ambicioso ao Reino Unido | Notícias internacionais e análises | DW | 04.06.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

MUNDO

Trump promete acordo comercial ambicioso ao Reino Unido

Em Londres, presidente americano elogia Theresa May e diz ver "tremendo potencial" para comércio bilateral depois do Brexit. Milhares de britânicos protestam contra visita de Trump.

Aperto de mãos de Donald Trump e Theresa May

No segundo dia de visita ao Reino Unido, Trump se reuniu com a premiê Theresa May

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prometeu nesta terça-feira (04/06) ao Reino Unido "um ambicioso acordo comercial" após a saída britânica da União Europeia (UE), prevista para o próximo dia 31 de outubro. A promessa foi feita após uma reunião entre o mandatário americano e a primeira-ministra Theresa May, em Londres.

"Agora que o Reino Unido está se preparando para sair da União Europeia, os Estados Unidos estão empenhados em alcançar um acordo comercial fenomenal com o Reino Unido. Há um tremendo potencial", afirmou Trump, em entrevista coletiva ao término de uma reunião com May.

O Brexit continua num impasse devido à falta de um consenso no Parlamento britânico sobre o acordo de saída com a UE. A visita de Trump ao Reino Unido ocorre poucos dias após May anunciar que deixará o cargo dia 7 de junho, diante do fracasso de seu governo para solucionar a crise gerada pelo divórcio com a União Europeia, abrindo um processo eleitoral no seu partido para sucedê-la.

Defensor do Brexit, Trump disse que esse eventual pacto com os EUA pode ampliar "duas ou três vezes" a troca comercial atual entre os dois países, avaliada em 240 bilhões de dólares em 2018. Diante das críticas que este possível acordo gera no Reino Unido, especialmente a possível entrada dos Estados Unidos no setor sanitário britânico, a líder conservadora especificou que tal tratado "tem de ser estipulado" pelas duas partes.

May e Trump se reuniram na residência oficial da primeira-ministra, no número 10 da Downing Street, no segundo dia da visita de Estado do presidente americano ao Reino Unido, que começou na segunda-feira com encontros com a família real e um banquete oferecido pela rainha Elizabeth 2ª.

Britânicos protestam em Londres contra visita de Trump

Britânicos protestam em Londres contra visita de Trump

Na reunião, os líderes conversaram também sobre a crise com o Irã e a guerra comercial com a China, em particular as restrições impostas por Washington sobre a empresa de telecomunicações Huawei.

May avaliou o encontro como positivo e se mostrou otimista sobre um futuro acordo comercial bilateral. "Também tenho a certeza de que o nosso relacionamento econômico vai crescer cada vez mais, com base nas conversas que tivemos e nas ideias que ouvimos das empresas do Reino Unido e dos EUA", acrescentou. 

Na entrevista coletiva, Trump, que em outras ocasiões criticou a gestão de May, disse desta vez que a dirigente britânica deixou a negociação do Brexit "em um bom lugar", que terá que ser continuado por seu sucessor no governo. "Você é uma grande profissional e uma pessoa que ama muito o seu país", elogiou Trump, dirigindo-se a May.

O presidente acrescentou que, no lugar dela, teria "processado" a União Europeia para forçar a saída do Reino Unido. "Mas nunca se sabe. Ela é provavelmente uma melhor negociadora do que eu", ironizou. 

Em relação à escolha do sucessor da premiê, Trump ignorou a tradição de líderes estrangeiros não comentarem política interna dos outros países e voltou a elogiar o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Boris Johnson, e enalteceu o atual chefe da diplomacia britânica, Jeremy Hunt, ambos candidatos ao cargo. Assim como Johnson, Trump vê com bons olhos uma saída não negociada da União Europeia, o que, segundo especialistas, poderia ter um impacto devastador na economia do Reino Unido.

Enquanto os líderes estavam reunidos, milhares de manifestantes protestaram em Londres contra a visita de Trump. O líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, também participou do ato. Os manifestantes se concentraram em Trafalgar Square e também na praça de Westminster, junto ao Parlamento britânico, onde foi erguido o boneco inflável "bebê Trump".

Ao ser questionado na coletiva sobre os protestos, Trump minimizou o ato, que considerou "pequeno", e disse que viu milhares de pessoas nas ruas com bandeiras dos Estados Unidos.

Nesta terça-feira, o presidente se reuniu ainda com o líder do Partido do Brexit, Nigel Farage, que ganhou as últimas eleições ao Parlamento Europeu no Reino Unido com 32% dos votos, e participou de um evento com empresários americanos e britânicos. No terceiro e último dia de sua visita, o presidente tomará parte na cerimônia em homenagem ao Dia D na cidade de Portsmouth.

CN/efe/lusa/afp/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais