PF estende Lava Jato para Ministério do Planejamento | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 13.08.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

PF estende Lava Jato para Ministério do Planejamento

Consist Software, de ex-vereador do PT Alexandre Romano, teria recebido 52 milhões de reais de empresas que concediam empréstimos consignados por meio do ministério.

A Polícia Federal (PF) deu início nesta quinta-feira (13/08) à 18ª fase da Operação Lava Jato e afirmou ter identificado um esquema de pagamentos de valores ilícitos referente à concessão de empréstimos consignados a servidores federais, por meio do Ministério do Planejamento (MP).

"Até agora, a Lava Jato apresentou provas de corrupção consistentes na Petrobras e suas subsidiárias, na Caixa Econômica Federal e na Eletrobras. Mas, depois dessa nova fase, verificamos que esse grande esquema ilícito transbordou as fronteiras e espraia seus efeitos para o Ministério do Planejamento", afirmou o procurador da República Robson Henrique Pozzobon.

Como parte da 18ª fase da operação, denominada Pixuleco 2, a PF executou mandados de busca e apreensão em Brasília, Porto Alegre, São Paulo e Curitiba e prendeu temporariamente o ex-vereador de Americana Alexandre Romano (PT).

De acordo com as investigações, a empresa Consist Software, administrada por Romano, recebia uma taxa mensal das empresas que ofereciam crédito consignado por meio do Ministério do Planejamento. Estima-se que a Consist tenha recebido 52 milhões de reais entre 2010 e 2015. A maior parte desse valor foi repassada ao PT por meio do lobista Milton Pascowitch, segundo a PF.

Conforme as investigações, a Consist recebia aproximadamente 1,50 real para cada contrato de empréstimo consignado assinado pelas empresas de crédito. "Era como se fosse uma taxa de administração, que equivale a 3,5 milhões de reais por mês", disse o delegado da PF Mário Ancelmo Lemos.

A Pixuleco 2 foi iniciada a partir dos depoimentos de delação premiada do lobista Milton Pascowitch, um dos operadores do esquema de corrupção na Petrobras. Ele relatou ter sido procurado pelo ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, preso na Lava Jato, para intermediar o pagamento de propina de empresas do Grupo Consist Software para o PT. Em troca, Pascowitch receberia uma comissão de 15%. Vaccari nega participação no esquema.

Segundo Pozzobon, depoimentos dos gestores da Consist permitiram identificar o repasse de mais cerca de 40 milhões de reais a empresas de fachada e escritórios de advocacia indicados por Romano e nos quais ele figurava como sócio.

Para os investigadores, o esquema revelado hoje no MP tem ligação "visceral" com o esquema de superfaturamento de contratos na Petrobras.

A Operação Lava Jato foi desencadeada pela PF e pelo Ministério Público Federal em março de 2014. A 18ª fase é um desdobramento da etapa anterior, chamada de Pixuleco, na qual o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu foi preso sob suspeita de ter se beneficiado de desvios de dinheiro na Petrobras.

LPF/abr/lusa

Leia mais