Paulo Guedes está com os dias contados | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 11.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Tropiconomia

Paulo Guedes está com os dias contados

Sem apoio de Bolsonaro, agenda de reformas econômicas perde fôlego após primeiro ano de governo. É só uma questão de tempo até ministro da Economia jogar a toalha e ser substituído por militar, acredita Alexander Busch.

Brasilien Wirtschaftsminister Paulo Guedes zu Rentenreform (Reuters/A. Machado)

Sem reformas, Paulo Guedes ficará sem espaço de ação no governo, diz colunista Alexander Busch

"Temos 15 semanas para mudar o Brasil", disse recentemente o ministro da Economia, Paulo Guedes. Com isso, ele quis dizer que só resta tempo até meados de julho para apresentar e aprovar suas reformas no Congresso. Já que então começa o recesso legislativo e depois tem inicio a campanha eleitoral para as prefeituras. A partir daí, projetos de lei não têm mais chance de passar no Congresso.

Na verdade, Paulo Guedes deveria ter dito: ainda me restam 15 semanas como ministro da Economia. Meus dias estão contados.

Porque é bastante improvável que o "superministro" da Economia, Finanças e Planejamento consiga aprovar qualquer uma das reformas pretendidas até meados de julho. Até agora, ele nem sequer apresentou as propostas para a reforma tributária ou administrativa.

No ano passado, o governo do presidente Jair Bolsonaro conseguiu aprovar a reforma da Previdência, depois de ela ter sido discutida por dois anos na sociedade e na política. E foram necessárias grandes concessões aos militares, que foram excluídos dos cortes. Além disso, no ano passado, o governo Bolsonaro ainda possuía uma bancada razoavelmente funcional no Congresso.

Isso pertence ao passado. A base política encolheu devido ao curso de confrontação que o presidente, seus ministros e filhos empreenderam contra o Congresso.

É improvável que, sem as reformas, Guedes consiga permanecer no cargo de ministro. Pois, para o banqueiro de investimentos, não interessaria ter pouco espaço de ação nos próximos dois anos do governo Bolsonaro. Ele quis entregar e implementar grandes projetos para recuperar a produtividade da economia e do Estado brasileiros – e fracassou estrondosamente.

Passados apenas 15 meses desde que Bolsonaro assumiu o poder, esse não é um prognóstico prematuro. É uma realidade: até agora, Guedes impulsionou vários projetos durante seu mandato como ministro, mas conseguiu implementar pouco.

Isso é fatal. Pois fazia muito tempo que não se via no governo brasileiro uma equipe econômica que focasse tão claramente as prioridades na reforma estatal, da economia e das finanças públicas quanto Guedes e companhia. Ele queria erradicar o déficit orçamentário crônico, uma doença estatal que sobrecarrega a economia há décadas.

Já faz muito tempo que não há nenhuma tentativa tão rigorosa para equilibrar o orçamento público na América Latina. Suas reformas seriam exatamente o que o Brasil precisa agora para não ficar para trás no cenário econômico global.

Mas Guedes apostou no cavalo errado: com o presidente Bolsonaro, não é possível realizar nenhuma reforma estatal de cunho liberal. O capitão da reserva não tem interesse nenhum nisso – fato do qual não faz segredo.

Bolsonaro segue a antiga política clientelista, não muito diferente dos seus tão criticados antecessores de esquerda. Mas, em vez de favorecer sindicatos, empresas públicas, construtoras e fundos de pensão estatais, Bolsonaro concede benefícios a agricultores, igrejas evangélicas, mineradoras ilegais, imprensa servil e militares.

A esperada recuperação econômica não aconteceu e, dada a mudança na situação da economia mundial, ela deverá ficar para um futuro ainda mais longínquo.

Portanto, é apenas uma questão de tempo até Bolsonaro substituir Guedes por um militar. Provavelmente, o colérico Guedes vai jogar a toalha antes. Diante dos fracos números de crescimento, os argumentos para uma mudança de pessoal são óbvios. Uma quantidade cada vez maior de políticos e economistas já está exigindo mais gastos pelo estado.

Então logo seria retomada a política econômica desenvolvimentista, que se tornou popular no Brasil desde o governo militar, passando por Sarney e Dilma: o Estado e seus planejadores se tornam os atores mais importantes da economia. As empresas privadas ficariam muito contentes em aceitar esse acordo. Em troca, elas ganham mercados protegidos, contratos governamentais e algumas são escolhidas como campeãs nacionais – sendo generosamente providas de crédito.

Sem dúvida: a agenda de reformas econômicas liberais já perdeu fôlego depois do primeiro ano do governo Bolsonaro. É uma catástrofe para o Brasil.

--

Há mais de 25 anos, o jornalista Alexander Busch é correspondente de América do Sul do grupo editorial Handelsblatt (que publica o semanário Wirtschaftswoche e o diário Handelsblatt) e do jornal Neue Zürcher Zeitung. Nascido em 1963, cresceu na Venezuela e estudou economia e política em Colônia e em Buenos Aires. Busch vive e trabalha em São Paulo e Salvador. É autor de vários livros sobre o Brasil.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais