1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Olaf Scholz em 1984
Scholz em 1984: na época ele era advogado e líder da Jusos, organização jovem do SPDFoto: Gladstone/Wikipedia

Olaf Scholz foi espionado pela Stasi

14 de janeiro de 2022

Documentos revelados pelo jornal "Bild" mostram que o hoje chanceler federal alemão foi mantido sob vigilância na década de 80 pelo serviço de segurança da antiga Alemanha Oriental.

https://www.dw.com/pt-br/olaf-scholz-foi-espionado-pela-stasi/a-60425561

A polícia secreta da Alemanha Oriental espionou por anos o atual chanceler federal alemão, Olaf Scholz, na década de 80 chegando segui-lo na Alemanha Ocidental, em Hamburgo, onde residia na época, segundo reportagem publicada pelo tabloide Bild.

Scholz, que era então advogado, viajou várias vezes para a antiga Alemanha Oriental como líder da Jusos, a organização jovem de seu Partido Social-Democrata (SPD).

Scholz, que assumiu o cargo como sucessor de Angela Merkel em dezembro, disse que a reportagem do jornal não foi uma surpresa. "Claro, estou ciente do fato de que fui espionado", afirmou nesta quinta-feira (13/01). "Não é bonito, mas é como é."

De acordo com os documentos da Stasi, a política secreta alemã-oriental, consultados pelo Bild, os agentes identificaram Scholz como um "profissional político da velha escola, que tem muita influência". Eles instruíram seus colegas a dar a Scholz e seus companheiros um tratamento especial, como "vistos para Berlim, sem taxas" e "desembaraço educado, sem controle alfandegário". Ele também foi autorizado a entrar sem pagar a taxa de câmbio de moeda a uma coversão favorável.

Dados repassados à KGB

O futuro chanceler também foi espionado, junto com uma dúzia de outros colegas do SPD, quando retornou a Hamburgo. Algumas dessas informações também foram repassadas à polícia secreta soviética, a KGB. A KGB trabalhava em estreita colaboração com a Stasi e até mantinha um escritório em Berlim.

Ao longo dos anos 80, a Stasi tinha mais de 3 mil informantes na Alemanha Ocidental, fornecendo à polícia secreta da Alemanha Oriental informações sobre figuras políticas e empresários proeminentes, assim como artistas, intelectuais, ativistas e até mesmo pessoas comuns.

Scholz não comentou se ele também já tinha visto os documentos. Agora com 63 anos, o agora chanceler alemão se juntou à organização jovem do SPD em meados da década de 1970 e foi vice-presidente do grupo a partir de 1982 a 1988.

md (DPA, AFP)