Morre Bill Withers, astro do soul e R&B | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 03.04.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Música

Morre Bill Withers, astro do soul e R&B

Das cerimônias de posse de Clinton e Obama às trilhas sonoras de filmes e séries de TV, canções como "Ain't no sunshine" e "Lean on me" permanecem eternas na música pop, apesar da breve carreira do cantor e compositor.

Bill Withers em foto de 2006

Bill Withers em foto de 2006

O cantor e compositor americano Bill Withers morreu aos 81 anos em Los Angeles de complicações cardíacas em 30 de março último, informou sua família nesta sexta-feira (03/04).

Três vezes vencedor do prêmio Grammy, nas décadas de 1970 e 1980, ele lançou uma série de clássicos de soul e R&B, como Ain't no sunshine, Use me e Grandma's hands, antes de se aposentar do mundo musical em meados dos anos 80.

"Estamos devastados pela perda do nosso amado, devotado marido e pai", expressou sua família. "Um homem solitário, com um coração decidido a se conectar com o mundo através de sua poesia e música, ele falava honestamente às pessoas e as conectava entre si."

"Por mais privada que fosse sua vida, junto à família e amigos íntimos, sua música pertence para sempre ao mundo. Nestes tempos difíceis, rezamos para que ela ofereça consolo e entretenimento, enquanto os fãs se apegam a seus seres amados", prossegue o comunicado familiar.

No contexto da pandemia do coronavírus, a canção de Withers Lean on me (Apoie-se em mim), de 1972, transformou-se numa espécie de hino informal do combate à doença, com profissionais de saúde, corais e artistas postando suas versões pessoais como impulso para atravessar a crise com solidariedade. Antes, a canção fora executada nas cerimônias de posse dos presidentes democratas Bill Clinton e Barack Obama.

Moldadas para a voz suave do cantor, nascido no estado de Virgínia Ocidental, suas letras diretas e emocionais, apoiadas por melodias simples mas poderosas, foram interpretadas por artistas do calibre de Michael Jackson, Aretha Franklin, Barbra Streisand, Diana Ross, Tom Jones, Johnny Mathis, Al Jarreau, Paul McCartney, Sting e Mick Jagger.

Suas criações figuraram, ainda, em numerosas produções cinematográficas e para a TV. Além de Lean on me (tema do filme Meu mestre, minha vida, de 1989, com Morgan Freeman), elas foram utilizadas em Beleza americana, O guarda-costas, Jerry Maguire, Glee: Em busca da fama e Ray Donovan, entre outros filmes.

"Perdemos um gigante da canção hoje", declarou em comunicado Paul Williams, presidente da sociedade americana de direitos de execução musical Ascap. "As canções de Bill Wither estão entre as mais preciosas e profundas do cancioneiro americano – universais na forma como tocam gente de todo o mundo, transcendendo gênero e geração. Ele era um belo homem, com um incrível senso de humor e um dom para a verdade."

Bill Withers deixa a esposa, Marcia, e dois filhos, Todd e Kori.

AV/ap/afp/rtr