May acena com segundo referendo sobre o Brexit | Notícias internacionais e análises | DW | 21.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

União Europeia

May acena com segundo referendo sobre o Brexit

Premiê diz que dará a deputados a possibilidade de decidirem se haverá segundo referendo sobre o Brexit caso eles aprovem o acordo de saída do Reino Unido da UE que ela lhes apresentar.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou nesta terça-feira (21/05) que pedirá ao Parlamento que decida se haverá um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

Ela disse que incluirá no projeto do acordo de saída um requerimento para que os parlamentares decidam se haverá ou não um segundo referendo, uma exigência central de muitos deputados oposicionistas.

Ela própria disse ser contra um segundo referendo, mas que percebe "sentimentos genuínos e sinceros" dentro do Parlamento nesse sentido.

O Parlamento já rejeitou três vezes o acordo negociado por ela com Bruxelas. O "novo acordo" apresentado por May inclui uma união aduaneira temporária com a UE, até as próximas eleições gerais no Reino Unido, assim como garantias para manter os direitos trabalhistas e os padrões ambientais da UE.

Segundo a premiê, se trata de uma última chance para que o Brexit ocorra de forma ordenada. Ela argumentou que quem votar contra a sua proposta de acordo votará, na prática, contra o Brexit.

Com a concessão, May espera conquistar os votos da oposição para aprovar a medida, que encontra resistência dentro do seu partido. O principal impasse é a união aduaneira temporária com a Europa, rejeitada por parte de conservadores pró-Brexit. 

Um segundo referendo é a principal demanda dos parlamentares trabalhistas, que são contra a saída do bloco. Ao voltar atrás sobre a questão para conquistar a oposição, May pode estar contando com o fato de que uma nova votação popular precisa do aval dos parlamentares, que podem barrar essa opção.

Após o anúncio da premiê, alguns parlamentares conservadores se posicionaram contra a proposta. Simon Clarke, que havia apoiado o acordo na terceira votação no Parlamento, disse que a concessão de May era "ultrajante" e afirmou que votará contra a medida.

O Partido Trabalhista também rejeitou a proposta. "Não podemos apoiar esse acordo que é basicamente uma repetição do que foi discutido antes", afirmou o líder da legenda, Jeremy Corbyn.

O Reino Unido deveria ter deixado a UE em 29 de março, mas o prazo foi ampliado para 31 de outubro devido ao impasse político no país, cujo Parlamento não consegue aprovar o acordo de saída negociado por May em Bruxelas. A próxima votação do acordo deve ocorrer no início de junho.

Sem a aprovação do acordo, o Reino Unido deverá deixar o bloco abruptamente em 31 de outubro. Há temores que uma saída desordenada possa levar a uma desaceleração econômica e comprometer o fornecimento de suprimentos médicos e alimentares devido à introdução de controles de fronteira e tarifas de um dia para o outro. 

AS/CN/rtr/ap/efe

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados