Jerusalém suspende votação sobre construção de assentamentos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 28.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Oriente Médio

Jerusalém suspende votação sobre construção de assentamentos

Decisão parte de pedido de premiê Benjamin Netanyahu, a fim de evitar conflito com EUA. Secretário de Estado americano fará pronunciamento sobre parâmetros para a paz entre palestinos e israelenses.

Assentamento israelense na Cisjordânia

Assentamento israelense na Cisjordânia

A Câmara Municipal de Jerusalém suspendeu nesta quarta-feira (28/12) a votação para aprovar a construção de cerca de 500 novas casas em assentamentos israelenses em territórios palestinos na cidade.

Esta seria a primeira autorização do gênero desde a aprovação de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que proibiu a construção de assentamentos israelenses em territórios palestinos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, ocupados por Israel a partir de 1967.

A suspensão da votação teria sido solicitada pelo primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu. "O presidente da Comissão de Planejamento e vice-prefeito, Meir Turgeman, disse ter sido o premiê que ordenou o adiamento da aprovação de 492 imóveis, para evitar um conflito com o governo americano", afirmou Hanan Rubin, integrante da comissão.

A informação não foi confirmada por porta-vozes de Netanyahu. O projeto de construção das casas nos assentamentos de Ramat Shlomo e Ramot, que deveria ser aprovado nesta quarta-feira, foi elaborado antes da resolução da ONU e deve voltar à pauta da Câmara no futuro.

Israel anexou em 1980 a zona leste de Jerusalém, onde vivem 300 mil palestinos, e a prefeitura administra a cidade como uma única entidade. A comunidade internacional, no entanto, não reconhece essa anexação. Por esse motivo, os países mantêm suas embaixadas em Tel Aviv.

Kerry vai se explicar

A solicitação do primeiro-ministro ocorreu no mesmo dia em que se espera um pronunciamento do secretário de Estado americano, John Kerry, com o fim de estabelecer os parâmetros para a paz entre palestinos e israelenses.

Kerry deve explicar também a abstenção dos EUA na votação do Conselho de Segurança que aprovou a resolução pedindo o fim imediato e completo da política de assentamentos israelense. A abstenção americana foi essencial para a aprovação da medida.

A política de assentamentos israelense é um dos obstáculos para um acordo de paz com palestinos. Cerca de 570 mil israelenses vivem em territórios palestinos na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental.

CN/efe/lusa/rtr/afp

Leia mais