Israel começa a aplicar terceira dose em maiores de 60 anos | Notícias internacionais e análises | DW | 30.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Israel começa a aplicar terceira dose em maiores de 60 anos

Para frear aumento de infecções por covid-19, país lança campanha de reforço na imunização. Presidente israelense e ex-premiê Benjamin Netanyahu recebem dose extra.

O presidente de Israel, Isaac Herzog, recebe a terceira dose da vacina ao lado da mulher, Michal

O presidente de Israel, Isaac Herzog, recebeu a terceira dose da vacina ao lado da mulher, Michal

Enquanto muitos países ainda enfrentam dificuldades para aplicar a primeira dose de vacinas contra a covid-19 na população, Israel começou a administrar, a partir desta sexta-feira (30/07), uma terceira dose em pessoas com mais de 60 anos.

Como parte da campanha, o presidente do país, Isaac Herzog, de 60 anos, recebeu a terceira dose do imunizante da Pfizer-Biontech no Hospital Sheba, num subúrbio de Tel Aviv. A mulher dele, Michal Herzog, e o ex-primeiro-ministro Benjamin Netanyahu também foram vacinados com a terceira dose.

"Começamos a campanha de reforço da vacinação, para que a vida possa voltar ao normal o mais rapidamente possível", declarou o presidente israelense após ser vacinado.

Segundo dados da Pifzer, a administração de três doses da vacina reforça a proteção contra a contagiosa variante delta, mas muitos países avaliam se isso é mesmo necessário. As autoridades sanitárias dos Estados Unidos, do Brasil e da União Europeia, por exemplo, ainda não aprovaram a necessidade de uma terceira dose.

Segundo Hagai Levine, epidemiologista da Universidade Hebraica de Jerusalém, a decisão de Israel "se baseia na opinião de especialistas, na lógica, e não em evidência científica sólida". "Mas tudo bem. Na saúde pública e na medicina, às vezes você toma decisões com base em sua experiência e no seu raciocínio", acrescentou.

Israel executou no primeiro semestre uma rápida campanha de vacinação, graças a um acordo com a Pfizer-Biontech, e suspendeu muitas restrições para conter a pandemia em junho, quando os novos casos de covid-19 caíram de 10.000 para menos de 100 por dia.

Nas últimas semanas, porém, o número de infecções voltou a subir, e o país voltou a impor medidas como o uso obrigatório de máscara em espaços públicos fechados. Em Israel, 57% dos 9 milhões de habitantes completaram o esquema de vacinação. Essa taxa sobe para 87% entre pessoas com mais de 60 anos e 90% para os acima de 70.

Em meados de julho, o governo já havia autorizado a aplicação da terceira dose para pacientes com quadro de imunodepressão severa.

"Israel é o pioneiro, tomando a dianteira com uma terceira dose da vacina para pessoas com 60 anos e mais", disse o primeiro-ministro Naftali Bennett, que acompanhou o presidente Herzog ao hospital nesta sexta-feira.

"A única maneira de vencer a covid-19 é agirmos juntos. Juntos significa compartilhar informações, métodos, conselhos, etapas práticas. O Estado de Israel está aberto a compartilhar todas as informações que obterá desta medida audaciosa", acrescentou o premiê.

Nas últimas 24 horas, Israel registrou mais de 2.100 casos de covid-19. Além disso, 286 pacientes se encontram internados, 160 deles em estado crítico. Mais de 6.400 pessoas morreram por complicações associadas à covid-19 no país desde o início da pandemia.

jps/ek (AFP, Reuters)

Leia mais