EUA expulsam membros de missão cubana na ONU | Notícias internacionais e análises | DW | 20.09.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

EUA expulsam membros de missão cubana na ONU

Governo americano alega questão de segurança nacional e diz que diplomatas conduziam "operações" contra os Estados Unidos. Havana acusa Washington de sabotar diplomacia bilateral.

EUA expulsam diplomatas cubanos a poucos dias da Assembleia Geral da ONU

EUA expulsam diplomatas cubanos a poucos dias da Assembleia Geral da ONU

Os Estados Unidos expulsaram nesta quinta-feira (19/09) dois membros da missão cubana da ONU, a poucos dias da Assembleia Geral da entidade, alegando ameaças à segurança nacional do país. Em comunicado o órgão afirmou que pediu a "partida imediata" dos dois diplomatas.

A porta-voz do Departamento de Estado americano, Morgan Ortagus, justificou a medida afirmando que os dois cubanos estariam tentando "conduzir operações de influência contra os Estados Unidos", o que conflagraria um abuso de seus "privilégios de residência".

"Levamos a sério toda e qualquer investida contra a segurança nacional dos EUA", escreveu Ortagus em sua conta no Twitter. "Continuaremos a investigar outros que estejam manipulando seus privilégios de residência", acrescentou.

Ortagus disse que a movimentação de membros da missão cubana da ONU ficará restrita a Manhattan, onde se localiza a sede das Nações Unidas.

O governo cubano condenou a decisão americana. "Rechaço categoricamente a expulsão injustificada de dois funcionários da missão permanente de Cuba na ONU e o endurecimento das restrições de movimento aos diplomatas cubanos e suas famílias", afirmou o ministro cubano do Exterior, Bruno Rodríguez, em seu perfil no Twitter.

O ministro disse se tratar de uma "calúnia vulgar a imputação de que [os diplomatas cubanos] realizaram atos incompatíveis com seu status diplomático". Segundo afirma, a medida teria como objetivo "provocar uma escalada diplomática que leve ao fechamento das embaixadas bilaterais, endurecer ainda mais o bloqueio e criar tensões entre ambos os países", afirmou, se referindo ao embargo comercial imposto a Cuba pelos EUA.

O Departamento de Estados não mencionou o nome dos diplomatas expulsos ou quais funções exerciam na missão cubana, além de não especificar quais seriam as atividades contra a segurança nacional americana que teriam promovido. A missão diplomática de Cuba na ONU é composta de 16 pessoas.

As expulsões ocorrem na semana anterior à 74ª Assembleia Geral da ONU, que o governo cubano utiliza como uma plataforma para tentar pôr fim ao embargo comercial e econômico imposto por Washington. A cada ano, desde 1992, a Assembleia aprova um texto que, apesar de não caráter vinculativo, insta o governo americano a acabar com o bloqueio, ressaltando os efeitos negativos da medida.

Em 1947, quando a ONU e os EUA aprovaram o acordo para a instalação da sede da entidade em Nova York, as autoridades americanas se comprometeram a não impor nenhum impedimento de trânsito de entrada ou de saída dos diplomatas acreditados.

Cuba e os EUA possuem um histórico de expulsões mútuas de diplomatas. As relações entre os dois países se deterioraram com a chegada de Donald Trump à Casa Branca, que retrocedeu os avanços diplomáticos obtidos pelo governo de seu antecessor, o ex-presidente Barack Obama.

Em setembro de 2017, os EUA  recolheram a maioria de seus diplomatas em Havana. No mês seguinte, Trump expulsou 15 representantes cubanos nos EUA. Seu governo reforçou o embargo comercial, impôs restrições ao turismo e às viagens de cidadãos americanos à ilha.

RC/afa/afp/dpa

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais