Estudo associa desnutrição na gravidez a malformações por zika | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 10.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Saúde

Estudo associa desnutrição na gravidez a malformações por zika

Pesquisa aponta que baixa ingestão de proteínas por mães contaminadas pelo vírus está ligada à malformação de fetos. Resultados ajudam a entender por que Nordeste registrou tantos casos de microcefalia.

Mãe com bebê com microcefalia

No auge da epidemia de zika, em 2015, 75% das crianças com problemas decorrentes do vírus nasceram em comunidades pobres

O mais nefasto dos efeitos do vírus da zika, a síndrome congênita que provoca malformações do feto, como microcefalia, aparece com mais frequência em famílias com deficiências alimentares. A explicação para isso é apontada em um estudo publicado nesta sexta-feira (10/01) pelo periódico Science Advances: gestantes que se alimentam com níveis insuficientes de proteína estão propensas a sofrer alterações na estrutura da placenta, afetando o crescimento do embrião e, consequentemente, favorecendo malformações do bebê.

"Nossos resultados mostram pela primeira vez que a nutrição deficiente em proteínas é um fator importante a se levar em consideração na infecção por zika durante a gravidez, porque sua combinação pode levar a consequências severas no desenvolvimento", afirma à DW Brasil a biomédica Patricia Pestana Garcez, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e uma das autoras da pesquisa.

Os cientistas analisaram a transmissão vertical – ou seja, de mãe para filho – de zika entre camundongos infectados em laboratório e, em seguida, cruzaram os dados com os obtidos em entrevistas realizadas com 83 mães de bebês nascidos com microcefalia durante o surto de zika em 2015, no Nordeste brasileiro.

Os resultados ajudam a entender por que as taxas mais elevadas de síndrome congênita de zika daquele ano foram registradas na região, "onde as dietas tendem a carecer de proteína suficiente", por conta das condições socioeconômicas mais precárias.

Dados apontam que de 6% a 12% das mulheres grávidas com zika dão à luz bebês com a síndrome provocada pelo vírus. No auge da epidemia brasileira, em 2015, 75% das crianças com problemas decorrentes do vírus nasceram em comunidades consideradas pobres.

"Nossas entrevistas mostraram que cerca de 40% das mães que tiveram crianças com síndrome congênita apresentavam desnutrição proteica, isto é, consumiam menos de 60 gramas de proteína por dia", diz Garcez.

Ela explica que, no modelo reproduzido em laboratório com os camundongos, tal estresse nutricional deixava as prenhes com maior carga viral, maior dano na placenta e, consequentemente, "com a quebra da barreira placentária, seus filhotes apresentavam microcefalia".

"[O que fizemos foi] investigar o efeito da nutrição materna na quebra da barreira placentária e, portanto, nos efeitos do desenvolvimento do sistema nervoso central causados pelo vírus da zika", comenta a cientista.

Segurança alimentar 

O estudo indica que políticas de segurança alimentar devem ser consideradas nos trabalhos para diminuir os efeitos do vírus. "Diferentes cofatores podem estar associados para aumentar a suscetibilidade do vírus alcançar o embrião. Isso pode explicar a grande assimetria no número de casos e a severidade dos casos", diz ela.

"Nossos dados indicam que a dieta é um fator muito importante. A segurança alimentar das populações é essencial para diminuir as probabilidades de ter esse tipo de consequência após a infecção com o vírus", conclui.

Coautora do trabalho, a antropóloga argentina Jimena Barbeito-Andres, cientista do Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas (Conicet) ressalta a importância maior da alimentação adequada em grávidas.

"A desnutrição severa é um problema durante o desenvolvimento [do feto], porque o crescimento pode ser retardado, o tamanho dos órgãos pode ser menor, entre outros problemas", explica. "Quando a falta de proteínas está acompanhada da infecção com zika, há uma redução significativa do crescimento do cérebro."

O médico infectologista Jean Gorinchteyn, do Instituto Emílio Ribas, em São Paulo. também considera que a sobreposição de fatores nutricionais com a presença do vírus da zika traz a chance de ter danos cerebrais agravados. "Uma conjunção de fatores deixa a chance de distúrbios muito maiores", diz.

"Se você tem um outro ser dentro do corpo em formação, é claro que se você der menos combustível, você vai ter uma formação defeituosa de fetos, especialmente no começo da gravidez", comenta o médico infectologista Celso Granato, professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). "Mas a questão pode ser um pouco mais complexa do que só a falta de proteína. É um assunto que deve depender de outros aspectos, uma questão ainda aberta."

Epidemia em declínio

O vírus da zika é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, o mesmo vetor da dengue e da chikungunya. Depois do auge da epidemia de zika, entre 2015 e 2016, a propagação do vírus vem caindo no Brasil.

Dados recentes do Ministério da Saúde apontam registros de 55 casos de síndrome congênita provocada pelo zika em 2019 (balanço até outubro). Nos anos anteriores foram 178 casos (em 2018), 360 (2017), 1.927 (2016) e 954 (2015, quando o surto do vírus começou).

"Aparentemente, a epidemia se resolveu. Mas é difícil dizer que o surto está contido e a gente pode baixar a guarda", pondera Granato.

O médico patologista Paulo Saldiva, professor da Universidade de São Paulo (USP), atribui a melhora do cenário "às medidas de controle dos vetores e conscientização da população". Para vencer a questão, entretanto, ele cobra mais investimentos. "[É preciso] melhorar as condições de saneamento de forma a reduzir a proliferação dos insetos vetores e investir no desenvolvimento de uma vacina."

"Temos de fazer um controle muito mais intenso dos focos de Aedes aegypti”, endossa Gorinchteyn.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais