Enviado de Biden para o clima pede ″ações imediatas″ de Bolsonaro | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 16.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Enviado de Biden para o clima pede "ações imediatas" de Bolsonaro

John Kerry diz que Washington espera medidas rápidas contra o desmatamento e pede engajamento com indígenas e a sociedade civil. Em carta, senadores americanos acusam Bolsonaro de dar luz verde a criminosos na Amazônia.

John Kerry, enviado de Biden para o clima

Comprometimento de Bolsonaro com fim do desmatamento ilegal é importante, mas queremos ver resultados, diz Kerry

John Kerry, enviado para o clima do governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, pediu nesta sexta-feira (16/04) que o presidente Jair Bolsonaro tome "ações imediatas" contra o desmatamento, e disse esperar que o governo brasileiro atue ao lado das comunidades indígenas e da sociedade civil nas questões ambientais.

Em mensagem publicada no Twitter, o americano comentava uma carta enviada pelo presidente brasileiro a Biden, na qual ele prometeu eliminar o desmatamento ilegal no Brasil até 2030 e pediu o apoio dos EUA para atingir esse objetivo.

Segundo Kerry, o comprometimento de Bolsonaro com o fim do desmatamento ilegal é "importante", mas Washington espera ver resultados.

"Esperamos ações imediatas e um engajamento com as populações indígenas e a sociedade civil para que esse anúncio possa gerar resultados tangíveis", escreveu o enviado para o clima.

Bolsonaro enviou a carta ao presidente americano na última quarta-feira, uma semana antes da chamada Cúpula dos Líderes sobre o Clima, organizada por Washington. O presidente brasileiro foi um dos 40 líderes mundiais convidados por Biden para a reunião, que ocorrerá online nos dias 22 e 23 de abril.

A carta de sete páginas afirma que, para o país alcançar a meta de eliminar o desmatamento ilegal até 2030, serão necessários "recursos vultuosos e políticas públicas abrangentes".

"A magnitude [destes] obriga-nos a querer contar com todo apoio possível, tanto da comunidade internacional, quanto de governos, do setor privado, da sociedade civil e de todos os que comungam desse nobre objetivo", diz o texto.

"Inspira-nos a crença de que o Brasil merece ser justamente remunerado pelos serviços ambientais que seus cidadãos têm prestado ao planeta", completa Bolsonaro.

Ele também admitiu a possibilidade de o Brasil antecipar para 2050 o objetivo de longo prazo de alcançar a neutralidade climática, dez anos antes da data anteriormente prometida.

Mudança de tom

Com a mensagem, o presidente pela primeira vez respondeu positivamente a um dos principais apelos do governo americano na questão ambiental, que é o combate ao desmatamento ilegal.

O tom, contudo, diverge da postura adotada até então por Bolsonaro, que chegou a atacar ONGs e ativistas ambientais e a trocar farpas com líderes internacionais que criticaram a política ambiental brasileira e denunciaram o desmatamento da Amazônia quando este atingiu níveis recordes.

Durante a campanha eleitoral, Biden propôs que países forneçam ao Brasil 20 bilhões de dólares para combater o desmatamento e disse que o país deve sofrer repercussões se falhar esse objetivo. Na época, Bolsonaro classificou os comentários de Biden como "lamentáveis" e "desastrosos".

Carta de senadores americanos

Também nesta sexta-feira, às vésperas da cúpula do clima de Biden, um grupo de senadores democratas enviou uma carta ao presidente americano criticando o péssimo histórico ambiental de Bolsonaro e pedindo a Washington que condicione qualquer ajuda financeira à redução do desmate na Amazônia.

"Dado o histórico de compromissos climáticos não cumpridos, achamos que devemos impor condições para enviar auxílio americano ao Brasil: progresso significativo e sustentado na redução do desmatamento e no fim da impunidade para crimes ambientais e da intimidação e violência contra defensores das florestas", diz o texto.

A carta foi assinada por 15 influentes parlamentares americanos, incluindo os ex-pré-candidatos à presidência dos EUA Bernie Sanders e Elizabeth Warren, e o presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Robert Menendez.

Segundo os senadores, "a retórica e as políticas do presidente Bolsonaro efetivamente deram luz verde para os perigosos criminosos que atuam na Amazônia, permitindo-lhes expandir dramaticamente as suas atividades".

Eles continuam afirmando que uma parceria entre EUA e Brasil "só é possível se o governo Bolsonaro começar a levar a sério os compromissos climáticos do Brasil – e apenas se proteger, apoiar e envolver de forma significativa os muitos brasileiros que podem ajudar o país a cumpri-los".

ek (AP, Lusa, ots)

Leia mais