Dilma diz que crise política não afetará Jogos Olímpicos | Rio 2016 | DW | 03.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Rio 2016

Dilma diz que crise política não afetará Jogos Olímpicos

No que será possivelmente seu último ato ligado ao evento, presidente prefere a discrição e faz apenas citações rápidas à situação que o Brasil atravessa: "Sabemos das dificuldades políticas que existem."

Assistir ao vídeo 01:16
Ao vivo agora
01:16 min

Veja imagens da Tocha Olímpica em Brasília

O Brasil receberá bem os atletas e visitantes que virão ao país para os Jogos Olímpicos do Rio apesar da instabilidade política, afirmou nesta terça-feira (03/05) a presidente Dilma Rousseff durante a cerimônia de chegada da Chama Olímpica.

Em um discurso breve no Palácio do Planalto, Dilma fez apenas citações rápidas à situação que o Brasil atravessa. Ela disse ter certeza de que "um país onde o povo sabe lutar por seus direitos e preza pela sua democracia" organizará Jogos Olímpicos de grande sucesso.

"Sabemos das dificuldades políticas que existem em nosso país hoje, conhecemos a instabilidade política. O Brasil será capaz de, mesmo convivendo com um período difícil, muito difícil, verdadeiramente crítico da nossa história e da história da democracia em nosso país, saberá conviver, porque temos todas as condições para isso, com a melhor recepção de todos os atletas e todos os visitantes estrangeiros”, afirmou a presidente.

Prestes a ser temporariamente afastada pelo Senado, com a abertura do seu processo de impeachment, o que deve ocorrer até meados deste mês, a presidente dificilmente será a chefe de Estado na abertura dos Jogos. Na semana passada, em entrevista à CNN, ela disse que ficaria muito triste se não participasse da cerimônia.

Durante a cerimônia desta terça, em dois momentos ensaiaram-se gritos de “não vai ter golpe” e “Dilma, guerreira do povo brasileiro”, mas foram rapidamente cortados pelo locutor e claramente desagradaram à presidente.

No que será possivelmente seu último ato ligado à Olimpíada como presidente, Dilma preferiu a discrição.

Percurso pelo Brasil

No Palácio do Planalto, a Chama Olímpica alimentará a primeira Tocha Olímpica Rio 2016. De lá, a tocha começará sua viagem pelas cinco regiões do país. Ao longo de 95 dias, o roteiro incluirá 327 cidades e 12 mil condutores até chegar, em 5 de agosto, ao Maracanã, onde será acesa a Pira Olímpica e celebrada a cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Segundo os organizadores, o percurso da tocha no Distrito Federal incluirá mais de 118 quilômetros, passando por prédios do governo e vários pontos turísticos da capital federal. Além do Palácio do Planalto, a tocha passará pela Câmara e pelo Senado, pela Catedral Metropolitana e pela Igrejinha na Asa Sul.

Entre os condutores da tocha em Brasília estão a jogadora de vôlei Fabiana Claudino, o campeão mundial de surfe Gabriel Medina, o matemático Artur Ávila Cordeiro de Melo, a jogadora de vôlei Paula Pequeno, o ex-maratonista Vanderlei Cordeiro de Lima e a menina Hanan Khaled Daqqah, de 12 anos, refugiada síria que vive no Brasil.

Chegada a Brasília

A Chama Olímpica chegou nesta terça-feira ao aeroporto de Brasília. O símbolo dos jogos entrou no espaço aéreo brasileiro às 7h10, e o avião da empresa Latam, procedente da Suíça, pousou às 7h25. A aeronave foi escoltada por dois caças da Força Aérea Brasileira.

A chama fora acesa no dia 21 de abril, em frente ao Templo de Hera, localizado nas ruínas da cidade grega de Olímpia, a partir de raios solares, seguindo um ritual que usa uma espécie de espelho côncavo, chamado skaphia.

Após percorrer algumas cidades gregas – entre elas Atenas – a Chama Olímpica seguiu até Genebra, na Suíça, para uma cerimônia na ONU, seguindo então para o Museu Olímpico, localizado em Lausanne, onde fica a sede do Comitê Olímpico Internacional.

AS/abr/rtr/afp

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados