Como Beethoven virou até ″musiquinha do gás″ no Brasil | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 17.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Beethoven

Como Beethoven virou até "musiquinha do gás" no Brasil

Influência do compositor alemão sobre a música brasileira vai do erudito ao popular e, como uma sacada de marketing, sua obra pode ser ouvida nas ruas das grandes cidades.

De um catálogo de versões de músicas clássicas que tinham potencial para ganhar as ruas das grandes cidades brasileiras, uma se destacou, acabou adotada por quase todas as empresas e se transformou em um recado ao inconsciente coletivo: se as notas ouvidas lá longe são de Für Elise, é um caminhão vendendo gás que se aproxima. 

Essa história, que torna uma composição de Ludwig van Beethoven (1770-1827) um meme nacional, começou quando as firmas de venda de gás porta a porta queriam uma solução para substituir o barulho das buzinas e os gritos de "Ó o gás". Em 1989, o compositor Hélio Ziskind foi procurado com a missão de criar um tema para a a Ultragaz, a maior distribuidora de GLP do país. 

Formado em composição erudita pela Universidade de São Paulo (USP), Ziskind topou a tarefa e compôs o tema 'Sinos das Ruas', que usa elementos de sonoridade de botijões batendo, associando sons de violino e flauta. Havia uma novidade tecnológica: a música era reproduzida a partir de um chip ligado a um amplificador no caminhão, e não por meio de fita cassete. "Não era uma coisa mecânica", comenta o músico. "Era uma coisa à prova de sacolejo."

Assistir ao vídeo 28:05

Camarote.21 - 250 anos de Beethoven

A iniciativa chamou a atenção da concorrência e do poder público – que entendeu haver uma solução para diminuir a poluição sonora. Tanto que, em 27 de junho de 1991, a prefeitura de São Paulo promulgou a lei 11.016. "Fica proibido o uso da buzina, pelos caminhões de venda de gás engarrafado a domicílio, para anunciar a sua passagem pelas vias e logradouros", diz o texto.

Entregadores de empresas menores recorreram a chips com músicas livres de direitos autorais. No início, não era apenas Für Elise – notas de outros temas clássicos também eram ouvidas. Mas a força da bagatela beethoveniana composta em 1810 acabou se sobrepondo às demais e virou praticamente um símbolo. 

É a mesma razão que fez com que a música, nos anos 1990, fosse a preferida dos sistemas de espera telefônica instalados em PABX – hábito satirizado amplamente pela personagem Edileuza, no seriado humorístico Sai de baixo, exibido pela Rede Globo. 

Ziskind não acredita que isso tenha tornado Beethoven mais conhecido no Brasil. "Não vejo assim. Isto é o que hoje seria um meme: tem um alto poder de comunicação, mas não carrega significado nenhum. Passa batido o conteúdo musical", diz. "Apesar dessa coisa chique do Beethoven ter se tornado meu concorrente, é uma pena que a gente esteja falando nele assim."

"Acredito que na Alemanha haveria uma certa surpresa se alguma empresa utilizasse essa melodia assim", afirma o compositor Livio Tragtenberg, ex-professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), criador da Orquestra de Músicos das Ruas de São Paulo e autor do livro O ofício do compositor hoje. "Certamente haveria uma reação contrária, algo como 'estão vulgarizando', 'não toquem no meu Beethoven'."

Influência

Mas a presença de Beethoven na música brasileira não se resume ao marketing, evidentemente. Fundador do grupo Zimbo Trio e diretor do Centro Livre de Aprendizagem Musical (Clam), o pianista Amilton Godoy lembra que as composições do alemão estão na base da formação de qualquer instrumentista brasileiro. 

"Sua obra faz parte do repertório. E Beethoven, se pensarmos bem, é um erudito que se tornou popular, porque suas obras não ficaram circunscritas só às pessoas que frequentam meios eruditos. Conhecidas amplamente, se tornaram também músicas populares", comenta ele. Em 1972, o Zimbo Trio lançou o disco Opus-Pop Nº 1. "Uma das faixas foi um arranjo que fiz da 9ª Sinfonia", recorda o pianista.

Assistir ao vídeo 26:22

250 anos de Beethoven: o gênio celebrado mundialmente

Spalla da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo, o violinista e maestro italiano Emmanuelle Baldini afirma que a música de concerto brasileira "tem uma dívida muito grande para com a música europeia da qual Beethoven é um dos maiores expoentes". "Os maiores compositores [da história do Brasil] foram estudar na Europa, se formaram na Europa, ficaram influenciados muito pela música europeia", diz ele. "E por meio da tradição musical europeia, quando voltaram ao Brasil buscaram um próprio caminho que, na maioria dos casos, resultou em obras que combinam a experiência e a tradição da música europeia com elementos brasileiros e latino-americanos."

Um exemplo dado por Baldini é o compositor Heitor Villa-Lobos (1887-1959). "Do ponto de vista formal, é muito indicativo que Villa-Lobos, numa época em que já era muito raro escrever sinfonias, porque a forma já tinha passado seu momento de glória, ele escreve inúmeras. É um pequeno exemplo de como a tradição beethoveniana deixa um marco que sobrevive por muito tempo", explica.

Tragtenberg também vê uma influência do compositor alemão sobre os músicos modernos brasileiros. Segundo ele, é um diálogo com Beethoven a "ruptura das formas musicais" em obras do século 20. Ele exemplifica notando que, em algumas sinfonias, o compositor e maestro Claudio Santoro (1919-1989) demonstra "uma nítida base beethoveniana".

Ícone musical

Mas seja na erudição das salas de concerto, seja na musiquinha dos caminhões de gás, os especialistas são unânimes em reconhecer que, sabendo ou não sabendo a autoria, todo brasileiro já ouviu Beethoven alguma vez. "O tema inicial da 5ª [Sinfonia] se transformou em um ícone do que se chama música clássica aqui no Brasil", diz Tragtenberg. "Isso torna natural que uma empresa transforme em jingle a 'musiquinha do Beethoven'. São ícones auditivos da indústria cultural."

"Für Elise todo mundo conhece, mesmo que pense que é apenas 'a música do gás'", completa Godoy. "É enorme o impacto dessas músicas nas pessoas de todas as classes sociais, de todas as idades. Eu brinco sempre dizendo que Beethoven, mesmo sem saber que é Beethoven, é reconhecido até no interior do interior do interior da floresta amazônica, em qualquer lugar onde você chegue e toque as quatro notas [iniciais] da 5ª Sinfonia: pa-pa-pa-pam", considera Baldini.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados