Centenas de milhares de iranianos se despedem de general morto | Notícias internacionais e análises | DW | 06.01.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Centenas de milhares de iranianos se despedem de general morto

Multidão acompanha última homenagem a Qassim Soleimani, morto em um ataque americano em Bagdá, e pede vingança. Filha do comandante militar alerta Estados Unidos sobre "dia sombrio".

Visão aérea de multidão circulando uma abóbada azul numa cidade

Multidão em Teerã pareceu ser a maior desde o funeral do aiatolá Khomeini, em 1989

Centenas de milhares de cidadãos vestidos de preto encheram as ruas de Teerã nesta segunda-feira (06/01) nas cerimônias em homenagem ao principal comandante militar iraniano, Qassim Soleimani, morto em um ataque americano em Bagdá. Segundo a televisão estatal iraniana, a cifra de participantes teria alcançado os milhões. O governo decretou feriado na capital iraniana, para que o maior número possível de pessoas possa participar do ato.

Empunhando retratos do militar, a multidão se reuniu na Universidade de Teerã antes que o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, presidisse orações pelo general morto.

Soleimani, de 62 anos, era líder da poderosa Força Quds da Guarda Revolucionária iraniana, unidade de elite responsável pelo serviço de inteligência e por conduzir operações militares secretas no exterior. Ele foi morto em um ataque americano com um drone que atingiu o veículo em que estava nas imediações do aeroporto de Bagdá. O assassinato aumentou as tensões entre os arqui-inimigos Teerã e Washington.

O Irã disse no domingo que deixará de cumprir "quaisquer limitações" impostas ao programa nuclear do país pelo acordo assinado em 2015, já enfraquecido desde que os EUA se retiraram unilateralmente do pacto em maio de 2018.

Assistir ao vídeo 02:14

Funeral de Soleimani paralisa Teerã e leva aiatolá Khamenei às lágrimas

A multidão em Teerã mostrada pela televisão estatal parecia ser o maior desde o funeral do fundador da República Islâmica, aiatolá Ruhollah Khomeini, em 1989.

Khamenei pareceu chorar enquanto rezava diante dos caixões cobertos de bandeiras que continham os corpos de Soleimani e outros cinco "mártires" mortos no ataque americano. A voz do líder falhou de emoção quando ele orava, forçando-o a fazer uma pausa.

O líder supremo foi ladeado pela filha de Soleimani, o substituto do general morto como comandante da Força Quds, Esmail Qaani, o presidente iraniano, Hassan Rohani, o presidente do Parlamento, Ali Larijani, e o principal comandante da Guarda, general Hossein Salami.

"As famílias de soldados americanos no Oriente Médio passarão os dias esperando a morte de seus filhos", disse a filha de Soleimani, Zainab. "O louco do Trump que não pense que tudo acabou com o martírio de meu pai", acrescentou. Zainab também afirmou que os Estados Unidos e seu aliado Israel enfrentarão um "dia sombrio" em resposta à morte do general.

As pessoas rezaram junto com Khamenei e gritavam "morte aos EUA". Um cartaz erguido por uma das pessoas dizia "é nosso direito buscar uma vingança severa", ecoando comentários de líderes políticos e militares iranianos.

Muitos iranianos consideravam Soleimani, que era um veterano da guerra de oito anos contra o Iraque, um herói nacional. Ele era amplamente considerado como a segunda figura mais poderosa do Irã depois de Khamenei.

Pessoas vestidas de preto empunham fotos de general iraniano Qassim Soleimani

Soleimani é considerado herói nacional pelos iranianos

Os caixões de Soleimani e de Abu Mehdi al-Muhandis, líder da milícia iraquiana Forças de Mobilização Popular [Hachd al-Chaabi], que também foi morto no ataque de sexta-feira, foram envoltos em suas bandeiras nacionais e passaram de mão em mão sobre as cabeças dos participantes do cortejo no centro de Teerã.

A vasta procissão, mostrada nas imagens da televisão bloqueando ruas inteiras da capital, começou na Universidade de Teerã e se movimentou em direção à praça Azadi, ou praça da Liberdade. Enquanto marchavam, os participantes gritavam "morte aos EUA" ​​e "morte a Israel", empunhando bandeiras do Iraque, do Líbano, e bandeiras de cor vermelha, considerada a cor dos mártires no Irã.

O ataque de drones dos EUA que matou Soleimani foi ordenado por Trump, que disse que o comandante da Força Quds planejava um ataque "iminente" a diplomatas e forças americanas no Iraque.

O corpo Soleimani chegou ao Irã no domingo. Após um cortejo nas ruas de Bagdá, o caixão foi transportado para a província iraniana do Cuzistão, na fronteira com o Iraque e, no domingo, desfilou nas ruas da cidade de Ahvaz, no sudoeste iraniano e na cidade sagrada de Mashhad, no nordeste do país, antes de chegar a Teerã. O enterro está agendado para a terça-feira em Kerman, cidade natal do comandante.

O assassinato de Soleimani levantou temores de um novo conflito no Oriente Médio. Na sexta-feira, Khamenei prometeu "vingança severa" ao declarar três dias de luto.

Trump respondeu no sábado, avisando que os militares dos EUA fizeram uma lista de 52 locais no Irã que podem ser atacados e que as forças americanas os atingiriam "muito rápido e com muita força" se a república islâmica atacasse pessoal ou bens americanos.

No domingo, os líderes de Reino Unido, França e Alemanha pediram contenção. "Apelamos a todos os envolvidos para que mostrem o máximo de contenção e responsabilidade", disseram eles em comunicado conjunto.

MD/afp/rtr

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados