Brexit sem acordo: tempos duros para britânicos, confirma relatório vazado | Notícias internacionais e análises | DW | 18.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

União Europeia

Brexit sem acordo: tempos duros para britânicos, confirma relatório vazado

Segundo documento do governo vazado para imprensa, Reino Unido estará sujeito a meses de caos de transportes e carência de artigos básicos, caso se separe da UE sem um acordo de transição, como propõe o premiê Johnson.

Premiê britânico Boris Johnson come sorvete de casquina adornado por bandeira britânica

Premiê Boris Johnson: Brexit em 31 de outubro, com ou sem acordo com UE

Um no-deal Brexit (sem acordo de transição com a União Europeia) causará congestionamento dos portos britânicos, acarretando carestia de gêneros alimentícios, medicamentos e combustíveis no Reino Unido, sugere um relatório governamental vazado para a imprensa.

Divulgado neste domingo (18/08) pelo jornal Sunday Times, o documento, de codinome "Yellowhammer", conjetura que 85% dos caminhões usando os portais de ingresso entre a Inglaterra e a França "podem não estar prontos" para a aduana francesa.

O colapso dos portos poderá durar três meses, resultando numa redução dos suprimentos de alimentos frescos e eventualmente redundando em compras antecipadas pelo pânico.

A advertência coincide com as tentativas do novo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, de forçar Bruxelas a reabrir as negociações sobre o acordo do divórcio entre o país e a UE, fechado por sua antecessora, Theresa May. Johnson tem insistido que Londres abandonará o bloco europeu em 31 de outubro, com ou sem acordo.

O relatório prevê, ainda, que os atrasos nas fronteiras causem severos distúrbios de tráfico, sobretudo em torno da capital, Londres, e do sudeste da Inglaterra, com o potencial de afetar o fornecimento de combustível. Está igualmente previsto um impacto sobre os suprimentos de remédios e equipamentos médicos, grande parte dos quais chega do continente europeu à ilha.

É sublinhado o fato de que foram fechados poucos acordos bilaterais com Estados-membros isolados da UE, exceto em relação aos direitos de previdência social; e que "se mantém em nível baixo" a disposição pública e empresarial para a retirada do Reino Unido.

Predições semelhantes por parte de acadêmicos ou outros departamentos do governo britânico têm sido descartadas como alarmismo pela ala pró-Brexit. No entanto, Johnson se encontra sob pressão intensa de políticos de todas as frentes para que evite uma separação não regulamentada.

Mais de 100 deputados apelaram por uma convocação imediata do Parlamento, a fim de que se debata sobre um Brexit sem acordo. O órgão legislativo se encontra em recesso de verão até 3 de setembro.

O ministro encarregado de coordenar os preparativos para o no-deal, Michael Gove, insistiu que o documento vazado é apenas um "pior dos casos". No Twitter, afirmou que "passos muito significativos foram tomados nas últimas três semanas para acelerar o planejamento do Brexit".

Líderes europeus têm repetidamente descartado reabrir um acordo aceito por May em 2018, mas rejeitado pelos deputados britânicos em três ocasiões. A chanceler federal alemã, Angela Merkel, informou que se encontrará com Johnson na quarta-feira, mas frisou que Berlim está preparado para um Brexit desordenado.

"Estamos preparados para qualquer resultado [...] mesmo que não obtenhamos um acordo. Mas em todas as oportunidades eu farei um esforço para encontrar soluções, até o último dia das negociações."

Neste domingo, o Reino Unido também anunciou ter ordenado a anulação do European Communities Act (ECA 1972) – a lei que, 46 anos atrás, incluiu o país na Comunidade Europeia, a antecessora da União Europeia, concedendo supremacia legal a Bruxelas. O decreto de anulação, assinado na sexta-feira pelo secretário do Brexit Steve Barclay, entra em vigor em 31 de outubro.

AV/ap,rtr,afp

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

 

Leia mais