Brasil vota com tranquilidade após 25 anos do retorno da democracia | Eleições 2018 | DW | 03.10.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Eleições 2018

Brasil vota com tranquilidade após 25 anos do retorno da democracia

Em 1989 os eleitores brasileiros voltavam a exercer o direito de escolher o presidente do Brasil. Duas décadas depois, as eleições são uma rotina e a democracia está consolidada no país.

default

Eleitora vota em Brasília

Passados 25 anos do final da ditadura militar, a democracia brasileira parece não correr mais riscos. Neste domingo (03/09), 135,6 milhões de eleitores vão às urnas em clima de tranquilidade, sem se sentirem ameaçados por uma volta ao Brasil do período imediatamente anterior a 1985.

"O governo Lula ajudou muito a consolidar a democracia no país, fez mudanças muito positivas na sociedade e fortaleceu suas instituições", diz a pesquisadora alemã Susanne Gratius da Fundação para Relações Internacionais e Diálogo Exterior (Fride), com base em Madri.

Para quem acampanhou as mudanças de perto e estuda o assunto, um pouco da emoção da luta pela democracia foi perdida ao longo dos anos. "Com a consolidação da democracia, a vida política se torna mais previsível, menos pujante – segundo alguns, mais chata, mesmo – e mais institucionalizada", diz Eduardo Cesar Marques, um dos coordenadores da Associação Brasileira de Ciência Política.

O clima democrático, a inclusão social e a participação política são processos de mudança social bastante lentos e desiguais num país continental e de imensa diversidade regional como o Brasil, afirma Walquiria Domingues Leão Rego, professora da Unicamp.

"Há regiões onde a participação é tradicionalmente muito mais efetiva e o velho coronelismo tem sido abandonado; em outras regiões, no entanto, ainda se assiste à presença forte de velhas oligarquias, que exercem muito controle sobre os governos regionais e locais", afirma Walquiria.

Exemplo

E para a maioria dos eleitores brasileiros, que tem entre 25 e 34 anos e não assistiu à transição para a democracia, a mensagem do presidente do Tribunal Superior Eleitoral, Ricardo Lewandowski, foi especialmente dirigida: "O sagrado direito de votar foi duramente reconquistado pelos brasileiros, em um passado ainda recente, depois de intensas lutas e muito sofrimento", disse em rede nacional na véspera da votação, convocando todos a participar da "eleição mais limpa da história".

Passados 26 anos do movimento das Diretas-Já e 21 anos da escolha do primeiro presidente eleito por voto direto desde 1960, o Brasil passou a ser um exemplo de democracia na América Latina, lembrado também por seu avançado sistema de votação eletrônica.

Há ainda outras evidências da consolidação da democracia no Brasil: o país pode eleger a primeira mulher presidente, com chances de duas candidatas concorrerem num eventual segundo turno. Um avanço significativo para um região mergulhada por anos a fio na dominação masculina, segundo ressaltou Federico Foders, pesquisador da Universidade da Colônia.

Autora: Nádia Pontes
Revisão: Alexandre Schossler

Leia mais

Links externos