Avião ucraniano pegou fogo antes de cair no Irã, diz relatório preliminar | Notícias internacionais e análises | DW | 09.01.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Mundo

Avião ucraniano pegou fogo antes de cair no Irã, diz relatório preliminar

Boeing 737 teve problemas técnicos após decolar de Teerã e tentava voltar a aeroporto quando caiu, afirmam investigadores iranianos. Ministro fala em acidente, enquanto Ucrânia diz considerar várias causas possíveis.

A queda do Boeing 737 da Ukranian International matou todos os 176 passageiros e tripulantes a bordo

A queda do Boeing 737 da Ukranian International matou todos os 176 passageiros e tripulantes a bordo

Um avião ucraniano que caiu em Teerã com 176 pessoas a bordo pegou fogo antes de cair, afirma um relatório preliminar divulgado por investigadores iranianos nesta quinta-feira (09/01). A queda do Boeing 737-800 da companhia aérea Ukraine International Airlines, ocorrida na madrugada desta quarta-feira, resultou na morte de todos os passageiros e tripulantes a bordo.

A aeronave viajava com destino a Kiev, capital da Ucrânia,e  transportava principalmente iranianos. O jato caiu logo após decolar do aeroporto internacional Imam Khomeini, em Teerã. 

O ministro dos Transporte do Irã, Mohammed Eslami, rejeitou alegações de que a queda da aeronave seria "suspeita". "O avião pegou fogo devido a um defeito técnico e isso resultou em um acidente", disse Eslami.

O relatório preliminar da Organização de Aviação Civil do Irã citou testemunhas em terra e em um avião a uma altitude elevada que teriam dito que a aeronave da companhia ucraniana estava pegando fogo enquanto estava no ar.

O avião, de apenas três anos de idade e que passou por sua última manutenção programada na segunda-feira, teve problemas técnicos logo depois de decolar e mudou sua rota para tentar voltar ao aeroporto, afirma o relatório.

O problema técnico não foi especificado pelos investigadores, que também frisaram que não houve comunicação de rádio do piloto e que a aeronave desapareceu do radar a 8 mil pés (2.440 metros) de altura.

Até agora, não está claro se algum problema técnico poderia ter relação com uma falha mecânica ou uma peça defeituosa. O relatório iraniano se referiu à queda como um acidente.

As caixas-pretas, que contêm dados e comunicações do cockpit do avião, foram recuperadas, apesar de terem sofrido danos e de algumas partes da memória terem se perdido.

O desastre aconteceu em um momento difícil para a fabricante de aviões Boeing, que suspendeu a fabricação de seu 737 MAX após dois acidentes. O 737-800 é um dos modelos mais usados no mundo, tem um bom histórico de segurança e não usa a ferramenta de software implicada em quedas do 737 MAX.

As investigações sobre desastres aéreos são complexas, exigindo que reguladores, peritos e empresas de vários países trabalhem em conjunto. A divulgação de um relatório dentro de 24 horas é rara, e as autoridades podem levar meses para determinar a real causa do incidente. 

Uma fonte de segurança afirmou à agência de notícias Reuters que havia evidências de que houve superaquecimento de um dos motores. A queda ocorreu horas depois de o Irã lançar mísseis contra bases que abrigam forças americanas no Iraque, levando alguns a especular que o avião pudesse ter sido atingido.

Rota é popular entre canadenses

Em Kiev, o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, afirmou que o governo estava considerando várias causas possíveis para a queda do avião. Numa declaração transmitida pela televisão, ele pediu às pessoas que evitem especulações, teorias conspiratórias e avaliações apressadas em relação à queda. Ele também declarou esta quinta-feira como dia de luto nacional.

O líder ucraniano afirmou que conversaria por telefone com o presidente iraniano para intensificar a cooperação para descobrir a causa do desastre.

Países reconhecidos como participantes da investigação devem nomear quem desejam incluir, afirmou o relatório iraniano, apontando que peritos ucranianos iriam participar da apuração.

Como país onde o avião foi desenvolvido e construído, os EUA são geralmente autorizados a serem incluídos nas investigações por meio de uma convenção da ONU, mas nenhum dos lados envolvidos afirmou se investigadores americanos serão enviados ao Irã.

As tensões entre Washington e Teerã aumentaram com a morte do alto general iraniano Qassim Soleimani pelos EUA, que levou Teerã a retaliar com o ataque de mísseis a bases iraquianas usadas por forças americanas.

A aeronave ucraniana que caiu poucas horas depois do ataque iraniano decolou do aeroporto de Teerã às 6:12 horas da manhã (horário local) e foi lhe dado permissão para subir até 26 mil pés (quase 8 mil metros), afirmou o relatório. Seis minutos depois, o avião caiu perto da cidade de Sabashahr.

Os restos mortais recuperados no local do desastre devem agora ser identificados por médicos forenses, segundo o relatório de investigadores iranianos. Objetos como sapatos e roupas ficaram espalhados no campo onde o avião caiu. Trabalhadores de resgate usando máscaras de proteção colocaram corpos em sacos.

A bordo estavam 146 iranianos, 11 ucranianos, dez afegãos, cinco canadenses e quatro suecos, apontou o relatório, acrescentando que alguns podem ter mais de uma cidadania. As autoridades ucranianas disseram que 82 iranianos, 63 canadenses e 11 ucranianos haviam embarcado no avião.   

Devido à ausência de voos diretos, a rota entre Toronto e Teerã via Kiev é popular entre canadenses com ascendência iraniana que visitam o Irã.

FC/rtr/dpa/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais