A brutal realidade das prisões em Belarus | Notícias internacionais e análises | DW | 16.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Europa

A brutal realidade das prisões em Belarus

Ao libertar 2 mil detidos nos protestos em Minsk, vice-ministro do Interior bielorrusso assegurou não haver maus-tratos. Três presos contam à DW uma história de surras, humilhações, eletrochoques e arbitrariedade.

Mãos de luvas médicas examinam costas com marcas de espancamento

Preso nas manifestações em Belarus é examinado após libertação

"Eles espancavam e perguntavam: 'Então, nós somos fascistas?' Quando estão te enchendo de cacetadas, você certamente não vai dizer: 'Claro que vocês são fascistas!'" Quem conta é "Andrei", que não quer ter seu nome verdadeiro revelado.

"Mas então o que é que vocês são", pergunta o bielorrusso, dirigindo-se às forças de segurança que maltrataram os presos, "se o trabalho de vocês é surrar gente, e vocês ainda por cima se divertem?" Ele é um dos quase 7 mil cidadãos detidos em Belarus durante os protestos após as eleições presidenciais.

Na quinta-feira (13/08), depois de o governo libertar mais de 2 mil deles, o vice-ministro do Interior, Alexander Barsukov, se apresentou à imprensa, diante de um presídio na capital Minsk, anunciando: "Não houve maus-tratos!" Andrei e dois outros presos contam uma história diferente à DW.

Vice-ministro do Interior de Belarus, Alexander Barsukov

Vice-ministro do Interior Alexander Barsukov em Minsk: "Não houve maus-tratos!"

Eletrochoque nos rins

Pavel Chudka foi preso na noite de 10 de agosto em Minsk. Depois de já estar caído no chão, os agentes de segurança ainda o torturaram com eletrochoques na região dos rins. "É certo que não deixa marcas visíveis, mas eu ainda sentia os choques elétricos três a cinco minutos mais tarde, nem conseguia andar."

Sua garganta e mandíbula inferior ficaram tão tensas, que ele não podia falar, e mais de um dia e meio depois não conseguia engolir; até hoje as mãos lhe tremem. E aos maus-tratos físicos somou-se a humilhação: "E aí, está gostando?", gritavam seus algozes. "Quer mais? Vai agora para a rua protestar?"

Em seguida, Pavel foi levado à prisão da rua Okrestina. Entre as centenas de manifestantes lá reunidos, viu muitos que também haviam apanhado. Foi forçado a esperar no pátio interno do prédio, em posições dolorosas.

"Você fica ajoelhado por duas horas, com as mãos atrás da cabeça, e a cabeça no chão. Ou se apoia numa parede com as mãos e a cabeça." A cada 20 minutos, aproximadamente, os policiais ordenavam aos presos para engatinharem de uma parede à outra, a uma distância de 20 a 30 metros.

No tempo em que esteve detido, uma ambulância passou quatro vezes, mas os paramédicos foram impedidos de entrar. O presídio estava superlotado: "Numa cela de dez metros quadrados ficavam 25 pessoas, também menores de idade que mais tarde foram os primeiros a ser libertados."

Numerosos policiais de capacetes e cassetetes espancam homem caído

Forças de segurança bielorrussas espancaram manifestantes com crueldade

Cara no chão e atas falsas

Andrei foi preso na noite de 11 de agosto, próximo à estação de metrô Pushkinskaya. Já no furgão de presos lhe bateram nas pernas e ele teve que se ajoelhar. Chegando ao estacionamento da delegacia central de polícia, "já tinha 30 outros deitados, com o rosto no asfalto".

"Os vigias andavam entre eles, para cima e para baixo, gritando. Nós, recém-chegados, também tivemos que nos deitar, levamos cacetadas e nos jogaram água." Ele permaneceu cerca de três horas no chão. Apesar de trazer hematomas nas pernas e nas costas, considera-se "um dos sortudos": "Eu vi gente saindo de lá que estava muito mal mesmo."

Os presos também tiveram que endossar atas de interrogatório, conta Andrei: foi-lhes apresentado um texto impresso de que constava que o detido "participou de ações não autorizadas, gritou slogans de provocação". Quem se recusasse a assinar, era levado para a sala ao lado e apanhava mais, até ceder.

Mais tarde, os presos foram trancados em celas lotadas, sem sequer receber água para beber. Na manhã seguinte, Andrei foi transferido para a prisão na Okrestina, onde voltou a ser espancado, só sendo libertado em 13 de agosto.

Cartaz com retrato de presidente Alexander Lukashenko e dizeres Dá o fora! em bielorrusso. Ao fundo, manifestante agita bandeira vermelho-e-branca

"Dá o fora!": bandeira vermelho-e-branca simboliza oposição contra Alexander Lukashenko

"Que morram de sede!"

Mikhail (nome modificado a pedido do entrevistado) conta que foi preso e colocado numa van com feridos graves. Uma médica que foi chamada gritou com os soldados, chamando-os de animais, os quais responderam: "Tudo bem, começa a trabalhar." A noite foi passada na delegacia Leninskom, na capital.

Ele sequer participara de uma manifestação, conta, foi simplesmente arrancado de seu carro. "Ficamos presos num engarrafamento. Uns homens de escudos e cassetetes vieram até nós, pensei que fossem da tropa especial das forças internas. Eles nos mandaram sair do carro e entregar nossos celulares, para conferir se a gente levava fotos ou vídeos dos protestos."

Mikhail tinha um vídeo em que manifestantes portavam a bandeira branca e vermelha que até 1995 foi o pavilhão nacional de Belarus, e atualmente é usada por partes da oposição. Ele foi imediatamente detido.

"Os soldados que me levaram me aconselharam a ficar quieto. Por isso não me bateram. Outros foram espancados brutalmente no furgão de transporte. Do meu lado, estava um homem que nem conseguia mais falar. Ele só gemia baixinho e parecia que não se sustentava sozinho nas pernas."

Na delegacia Leninskom, Mikhail também presenciou surras a cacetadas e socos. Entre os presos viu quatro mulheres e um adolescente. Ele passou a noite do lado de fora, com o rosto para o muro e algemado. Embora estivesse tonto, não deixaram que se sentasse, e não lhe deram nada para beber. Um dos vigias gritou: "Tirem a água deles, deixem morrer de sede!"

Ao ser libertado pela manhã, Mikhail reconheceu que, apesar de tudo, sua detenção fora relativamente inofensiva, comparado a tudo o que presenciara.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais