Ucrânia: Filipe Nyusi aponta ″esforço″ da Rússia ″para evitar o pior″ | Moçambique | DW | 01.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Ucrânia: Filipe Nyusi aponta "esforço" da Rússia "para evitar o pior"

Durante a visita de uma alta representante do Kremlin a Maputo, o PR Filipe Nyusi apontou o "esforço" da Rússia "para evitar o pior" na guerra com a Ucrânia. E disse querer contribuir para o diálogo entre Moscovo e Kiev.

Filipe Nyusi encontrou-se com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, em agosto de 2019, em Moscovo

Filipe Nyusi encontrou-se com o seu homólogo russo, Vladimir Putin, em agosto de 2019, em Moscovo

O chefe de Estado de Moçambique falava, esta terça-feira (31.05), em Maputo, citado pelos meios de comunicação estatais, após receber a presidente do Conselho da Federação russa (Senado), Valentina Matviyenko, que se encontra de visita a Moçambique.

"Disse muito bem aqui [a presidente do Senado] que a Rússia está a fazer um esforço para evitar o pior", porque "poderia terminar a guerra em dois dias ou três, mas isso implicaria enormes [perdas de] vidas", disse Nyusi.

"E esse princípio deve ser o mesmo a guiar" um processo de diálogo, "para ver se se consegue chegar a uma solução", referiu o chefe de Estado moçambicano.

Nyusi acrescentou: "Nós continuaremos a dar a nossa contribuição para que o diálogo funcione. Estaria disposto até, a qualquer momento, se for preciso, dar a nossa influência mínima que seja, humilde ou singela" para que "essa situação termine".

Guerra na Ucrânia: Crise alimentar é também "oportunidade" para África

"Nós temos a esperança de que, com os esforços e vontade do seu país [Rússia], o diálogo será a via ideal. Naturalmente que isso tem de ser correspondido. E se tivéssemos oportunidade de falar com a outra parte, a mensagem seria essa mesmo: deixar as diferenças e discutir as soluções", referiu.

Impactos da guerra

Os impactos da guerra são globais, destacou o chefe de Estado. "As carências aumentam", incluindo no país que governa, levando a um aumento da inflação, "e as populações nem sempre percebem que isso é o resultado de uma guerra" que não se passa em África, "muito menos em Moçambique".

Valentina Matviyenko aludiu às sanções aplicadas a Moscovo, ao falar dos "bloqueios" às cadeias mundiais de logística, referindo que "prejudicam a Rússia, mas também a economia mundial", traduzindo-se em aumentos "dos preços dos combustíveis e alimentação".

"Estamos a dispostos a fornecer trigo, mas tudo foi bloqueado", acrescentou.

"Paralelamente, tínhamos as conversações com a Ucrânia para assinar os acordos de paz, fizemos recuar as tropas de Kiev e foi preparado aquele acordo [de cessar-fogo], mas a condição era que a Ucrânia fosse território neutro", referiu Matviyenko, citada pela Televisão de Moçambique (TVM).

Pode surgir de África a solução para a crise do gás na Europa?

Acordo de cooperação 

Valentina Matvienko, a terceira figura do Estado russo, está em Moçambique em resposta a um convite feito em outubro de 2021 pela presidente da Assembleia da República moçambicana, Esperança Bias, no âmbito da relação entre órgãos parlamentares.

Ambas assinaram na terça-feira um acordo de cooperação entre os dois Parlamentos, incidindo na troca de experiências e partilha de informações. A presidente do Conselho da Federação russa foi ainda recebida na terça-feira pelo primeiro-ministro moçambicano, Adriano Maleiane.

Matviyenko é uma das personalidades russas submetidas a sanções pelos Estados Unidos da América e União Europeia (bens congelados e sem direito a visto) desde 2014 devido ao seu papel na anexação da região ucraniana da Crimeia pela Rússia.

Moçambique foi um dos 38 países que se absteve na votação da Assembleia-Geral das Nações Unidas, onde uma esmagadora maioria aprovou uma resolução responsabilizando a Rússia pela crise humanitária na Ucrânia devido à guerra.

 A Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) foi um aliado de Moscovo durante o tempo da ex-URSS, tendo recebido apoio militar durante a luta contra o colonialismo português e ajuda económica depois da independência, em 1975.

Ucrânia: Uma guerra ainda sem fim à vista

Leia mais