Turquia abre fronteiras a refugiados que querem chegar à Europa | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 03.03.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Turquia abre fronteiras a refugiados que querem chegar à Europa

Depois da abertura ordenada pelo Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, milhares de refugiados e migrantes aguardam na fronteira que divide a Turquia e Grécia pela autorização de entrada em território europeu.

As imagens que chegam da fronteira que divide a Turquia da Grécia são chocantes. Milhares de refugiados e migrantes aguardam por detrás de um "muro" de arame farpado que lhe concedam a entrada na Europa, ao mesmo tempo que a polícia grega dispara gás lacrimogéneo para impedir que entrem.

O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan anunciou, durante o fim de semana, a abertura das fronteiras do país para a Europa. Uma ação que, justificou, se deve ao facto de a União Europeia (UE) não ter cumprido a sua parte do acordo firmado entre as partes em 2016.

"Se centenas de milhares [de pessoas] estão a forçar as portas [da Europa] hoje, há uma razão. Infelizmente, a União Europeia não cumpriu a sua promessa", afirmou o Presidente turco.

Abertura das fronteiras

Depois de várias ameaças, Erdogan abriu as fronteiras do seu país para conseguir o apoio da UE e da NATO (Organização do Tratado do Atlêncito Norte) no conflito na Síria. No entanto, a chanceler alemã Angela Merkel disse, esta segunda-feira (02.03), que "é inaceitável" que a Turquia exerça pressão sobre a União Europeia à custa dos refugiados.

Ouvir o áudio 02:42

Turquia abre fronteiras para refugiados chegaram à Europa

"Os refugiados foram agora colocados numa situação em que foram para a fronteira e basicamente acabam num beco sem saída. No entanto, a nossa política, e é por isso que existe o acordo entre a UE e a Turquia, não é uma política que se faz à custa dos refugiados. Pretende-se fechar acordos entre Estados precisamente para não colocar os refugiados numa situação difícil, nem facilitar ou tornar possível o trabalho dos traficantes e contrabandistas", disse a chanceler.

Na Europa, e especialmente na Alemanha, a crise migratória de 2015 continua bem presente. A própria chanceler Angela Merkel tem repetido várias vezes que o erro de abrir as fronteiras do país, permitindo a entrada de migrantes e refugiados em massa, não deve ser repetido.

Quem também rejeitou a ação do Governo turco foi o comissário europeu com a pasta das Migrações, Margaritis Schinas, que advertiu Erdogan de que "não pode chantagear a UE", até porque, segundo o comissário europeu, "cada vez que a União Europeia é submetida a uma prova, como é o caso atualmente, deve prevalecer a unidade", completa Margaritis Schinas.

Apoio europeu

Grécia e Bulgária, os dois países europeus que fazem fronteira com a Turquia, já solicitaram apoio europeu para lidar com a situação que se pode agravar, uma vez que existem cerca de 3,5 milhões de refugiados sírios a viver na Turquia. 

No entanto, e de acordo com a Oganização das Nações Unidas (ONU), após a abertura das fronteiras turcas no fim de semana, aguardam a oportunidade de entrar em território grego cerca de 13 mil pessoas.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, viaja para a Grécia na terça-feira (03.03), acompanhada do primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis, e dos presidentes do Conselho e do Parlamento Europeu, Charles Michel e David Sassoli.