Sudão do Sul: Extensão do prazo para formar governo é ″fundamental″ | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 08.05.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Sudão do Sul: Extensão do prazo para formar governo é "fundamental"

É o que diz o enviado especial da Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento da África Oriental (IGAD), que supervisiona o processo de paz no Sudão do Sul. Ministros da região debatem o prolongamento.

Presidente sul-sudanês, Salva Kiir (dir.), fala com líder da oposição armada Riek Machar (agosto de 2018)

Presidente sul-sudanês, Salva Kiir (dir.), fala com líder da oposição armada Riek Machar (agosto de 2018)

Os chefes da diplomacia de seis países da Autoridade Intergovernamental para o Desenvolvimento da África Oriental (IGAD, na sigla em inglês), discutem desde terça-feira (07.05) em Juba, capital do Sudão de Sul, como impulsionar o acordo de paz assinado em setembro de 2018.

A reunião de dois dias foi convocada depois de, na semana passada, o Presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, e o líder da oposição armada, Riek Machar, estenderem por seis meses o prazo para a formação de um governo transitório de unidade nacional, até 12 de novembro.

Ouvir o áudio 02:45

Sudão do Sul: Adiamento para formar governo é "fundamental"

Kiir dirigiria esse governo de transição e Machar deverá tornar-se um dos vice-presidentes. Este Executivo deverá ficar no poder durante 36 meses até à realização de eleições.

Espera-se agora que os ministros do IGAD apoiem o consenso alcançado pelas partes em conflito no Sudão do Sul.

Segundo Ismail Wais, enviado especial da organização da África Oriental, a extensão do prazo é "fundamental" para que as partes "continuem a solidificar a confiança".

Além disso, acrescenta Wais, o prolongamento incentiva o regresso de mais refugiados e deslocados internos, dando também "mais tempo para a mobilização de recursos necessários".

Desafios continuam

Mas vários desafios continuam a impedir o normal funcionamento das instituições e põem em causa os mecanismos de cumprimento do acordo de paz. As partes em conflito ainda não conseguiram implementar as medidas de segurança previstas no acordo e analistas temem que o processo volte a colapsar.

Assistir ao vídeo 01:25

Sudão do Sul: Moda em tempos de guerra

Os chefes da diplomacia do Djibuti, Etiópia, Quénia, Somália, Sudão e Uganda deverão deliberar sobre os desafios de financiamento para a implementação do acordo de paz. O enviado da IGAD, Ismail Wais, pediu aos ministros reunidos em Juba  que apresentem medidas mais duras que garantam que as fações do sul do Sudão cumprem o que prometeram.

Augustino Njoroge, presidente interino da Comissão Reconstituída de Monitoramento e Avaliação Conjunta (RJMEC, na sigla em inglês), que supervisiona o processo de paz, salienta que, para resolver as questões em aberto, serão necessários compromissos.

"O nosso foco agora deve ser a liderança das partes, que têm que demonstrar vontade política para garantir que as instituições e mecanismos do acordo relacionados com a segurança sejam cumpridos", afirma Njoroge.

As partes em conflito pedem 285 milhões de dólares para implementar o acordo de paz - em particular, os acordos de segurança. Os dois lados formaram um governo de unidade nacional em 2016, que caiu poucos meses depois, por o país voltar a ser palco de violência.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados