1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Guinea-Bissau I Putschversuch in Bissau gescheitert, mehrere Tote
O Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló.Foto: Alui Embalo/AFPTV/AFP/Getty Images

Sissoco Embaló disponível para mediação Rússia-Ucrânia

Lusa
1 de março de 2022

Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló, afirma que o país está disponível para mediar a crise entre a Rússia e a Ucrânia, tendo em conta a sua experiência em conflitos, caso seja convidado para o efeito.

https://p.dw.com/p/47mdT

"Apelamos às duas partes (Rússia e Ucrânia) para que se sentem à mesa das negociações e nós estamos disponíveis, se precisarem da nossa mediação, para falar com as partes", declarou o Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embaló.

O líder guineense falava aos jornalistas no Palácio da Presidência do país, em Bissau, onde concedeu posse hoje a três novos comandantes das Forças Armadas.

"A mesma posição da União Africana"

Sissoco Embaló esclareceu que a posição da Guiné-Bissau é a mesma defendida pela União Africana (UA)no conflito entre a Rússia e a Ucrânia,mas frisou ter enviado mensagens aos presidentes desses país, apelando-lhes que privilegiem o diálogo.

"São países vizinhos que devem saber coabitar", sublinhou o chefe de Estado, reforçando a ideia de que a Guiné-Bissau poderá facilitar o diálogo, dentro do conceito de que "não existe Estado pequeno", notou.

Embaló disse ter falado com vários líderes africanos e europeus, nomeadamente o Presidente e o primeiro-ministro portugueses, Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa, respetivamente, sobre o conflito na Ucrânia e com todos manifestou a sua preocupação pela perda de vidas humanas.

Russland-Ukraine-Krieg | Kiew
A ofensiva militar russa na Ucrânia já matou mais de 350 civis, incluindo crianças. Foto: Ukrainian Emergency Service/AP Photo/picture alliance

Ofensiva russa

A Rússia lançou na quinta-feira (24.02) de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e mais de 660 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.

Rússia ataca Ucrânia também no front cibernético

Saltar a secção Conteúdo relacionado