Só Moçambique piorou no índice de desenvolvimento humano entre os PALOP | Moçambique | DW | 15.12.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Só Moçambique piorou no índice de desenvolvimento humano entre os PALOP

Relatório de Desenvolvimento Humano do Programa da ONU para o Desenvolvimento (PNUD) dá conta de ligeiras melhorias entre os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP). Moçambique perde uma posição.

Mosambik | Coronavirus | Hygiene in Schulen

Foto ilustrativa

Moçambique é o pior país de língua portuguesa em África no Relatório de Desenvolvimento Humano 2020, lançado esta terça-feira (15.12) pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

O país desceu uma posição para 181º lugar, face a 2019, entre 189 países. Cabo Verde mantém-se como o primeiro país de língua oficial portuguesa em África no ranking, na 126ª posição, no mesmo lugar que no ano passado. Seguem-se São Tomé e Príncipe (na 135ª posição, 137ª em 2019), Angola (na 148ª posição, 149ª em 2019) e Guiné-Bissau (em 175º lugar, 178º em 2019).

Segundo o relatório, que resume dados para vários indicadores, Cabo Verde tem uma esperança média de vida à nascença de 73 anos e uma educação média de 6,3 anos. Existem cerca de 7,8 médicos por cada 10.000 habitantes. Por outro lado, 96,9% das pessoas em zonas rurais têm acesso a eletricidade. Por cada 1.000 nascimentos, 73,8 gravidezes ocorrem em mulheres entre os 15 e os 19 anos. No parlamento, 23,6% dos deputados são do sexo feminino.

Symbolbild FGM

A prevalência da mutilação genital feminina na Guiné-Bissau é de 44,9%, segundo a ONU

São Tomé e Príncipe tem uma esperança média de vida à nascença de 70,4 anos e uma educação média de 6,4 anos. Já por cada 1.000 nascimentos, 94,6 gravidezes ocorrem em adolescentes entre os 15 e os 19 anos. Por outro lado, apenas 14,5% dos parlamentares são do sexo feminino. No país, existem 0,5 médicos por cada 10 mil pessoas. Pelo menos 55,7% pessoas das pessoas em zonas rurais têm acesso a eletricidade. 34,5% da população vive abaixo do limiar da pobreza.

Em Angola, a esperança médica de vida à nascença é de 61,2 anos. Por cada 100.000 nascimentos registam-se 241 casos de morte materna. Por cada 1.000 nascimentos, 150,5 ocorrem em mulheres entre os 15 e os 19 anos. Apenas 30% dos deputados são do sexo feminino. Por cada 10 mil pessoas, existem 2,1 médicos. Apenas 3,8% das pessoas em zonas rurais têm acesso a eletricidade. A escolaridade média é de 5,2 anos. 47,6% das pessoas vivem abaixo do limiar da pobreza.

Na Guiné-Bissau, a esperança média de vida à nascença é de 58,3 anos e a média de anos de escolaridade é de 3,6. Por cada 100.000 nascimentos, registam-se 667 mortes maternas. No entanto, por cada 1.000 nascimentos, 104,8 gravidezes ocorrem em adolescentes entre os 15 e os 19 anos. Apenas 13,7% dos parlamentares são do sexo feminino. Por cada 10.000 pessoas, existem 1,3 médicos disponíveis. Cerca de 24% das mulheres são casadas aos 18 anos e a prevalência da mutilação genital feminina é de 44,9%. 67,1 das pessoas vivem abaixo do limiar da pobreza.

Mosambik I Parlament von Mosambik

Em Moçambique, 41,2% dos assentos parlamentares são ocupados por mulheres

Em Moçambique, a esperança média de vida à nascença é de 60,9 anos, sendo que a média da escolaridade ronda os 3,5 anos. Registam-se 289 mortes maternas por cada 100.000 nascimentos, sendo que por cada 1.000 nados vivos, 148,6 progenitoras tinham entre os 15 e os 19 anos. No Parlamento, 41,2% dos assentos são ocupados por mulheres. Por cada 10.000 pessoas, existem 0,8 médicos. Por outro lado, somente 8% das populações rurais têm acesso a eletricidade. Por último, 62,9% das pessoas vivem abaixo do limiar da pobreza.

Trabalhar com a natureza

A "próxima fronteira” para as metas do progresso humano exigirá trabalhar “com e não contra a Natureza”, transformando ao mesmo tempo normas sociais, valores e incentivos governamentais e financeiros, defende o PNUD. Esta é uma das principais conclusões do documento que será apresentado numa sessão de alto nível coorganizada pela Suécia esta terça-feira (15.12).

Sob o tema "A Próxima Fronteira: Desenvolvimento Humano e o Antropoceno", o relatório do PNUD, que assinala este ano o seu 30.º aniversário, observa que, pela primeira vez, “numa relação de 300 mil anos" em vez de ser o planeta a moldar os humanos, são os humanos que estão a moldar o planeta.

Uma floresta de factos

"Este é o Antropoceno: a era dos humanos", frisa o relatório, que se propõe nesta edição analisar como a Humanidade pode caminhar nesta nova era e mostrar como as ações humanas e o respetivo impacto no planeta (como por exemplo, as emissões de gases com efeito de estufa e a pegada material dos países) interagem com as desigualdades entre as sociedades.

O economista português Pedro Conceição, que desde janeiro de 2019 é o diretor do Gabinete do Relatório de Desenvolvimento Humano, é o principal autor do documento.

Para o especialista, a forma como as pessoas estão a vivenciar as pressões em relação ao planeta Terra está ligada à forma como as sociedades funcionam e atualmente, segundo frisa no relatório, "sociedades fraturadas estão a colocar as pessoas e o planeta em rota de colisão".

A atual pandemia da Covid-19 é a mais recente grande crise que o mundo enfrenta e, segundo o PNUD, não será a última, "a menos que os humanos libertem o seu domínio sobre a Natureza".

"Os humanos têm mais poder do que nunca sobre o planeta. Perante as repercussões da Covid-19, o nível recorde das temperaturas e a desigualdade em espiral, chegou a hora de usar esse poder para redefinir o que entendemos por progresso, onde as nossas pegadas de carbono e de consumo não estão mais escondidas", declara, por sua vez, o administrador do PNUD, Achim Steiner, citado no relatório.

Neste sentido, o PNUD apresenta uma escolha difícil e decisiva para os líderes mundiais: "Tomar medidas ousadas para reduzir a imensa pressão que está a ser exercida sobre o ambiente e o mundo natural, ou o progresso da Humanidade irá estagnar".

Leia mais