São Tomé e Príncipe: Mortes por Covid-19 disparam e população ignora a doença | São Tomé e Príncipe | DW | 25.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

São Tomé e Príncipe

São Tomé e Príncipe: Mortes por Covid-19 disparam e população ignora a doença

O arquipélago regista uma acentuada subida de mortes. Ao longo desta semana morreram 5 pessoas. O país cumpre o segundo estado de calamidade, mas a descrença em relação à doença deixa em contramão as medidas preventivas.

São Tomé e Príncipe vive a pior fase da pandemia provocada pelo novo coronavírus. Na primeira vaga da doença, no ano passado, morreram apenas 17 pessoas. Mas, desde janeiro deste ano, o vírus não tem dado tréguas. O número de mortes disparou em fevereiro. Desde o início desta semana até ontem, quarta-feira, cinco pessoas faleceram com Covid-19. Onze  estão internadas e 346 em isolamento domiciliar. A situação obrigou o primeiro-ministro Jorge Bom Jesus a visitar um hospital de campanha para se informar em primeira mão.

Data visualization COVID-19 New Cases Per Capita – 2021-02-24 – Africa - Portuguese (Africa)

Populares descrentes

"Em relação a são Tomé e Príncipe, vamos constatando em média 20 a 30 casos por dia. Portanto, vim para vermos qual é a margem para melhorias e que constrangimentos existem. São vários, a começar pelo problema do oxigénio, passando pelos problemas da falta de água, do calor da ventilação", afirmou o chefe do Governo na visita ao hospital de campanha.

Não obstante a acentuada subida de mortes e de novos casos positivos, a sociedade santomense mostra-se dividida entre os que levam a doença a sério e os outros. Em locais de maior aglomeração, como, por exemplo, nas feiras, nem todos usam máscaras.

O repórter da DW África perguntou a comerciantes se acreditam que exista o coronavírus. As respostas, muitas vezes, são negativas: "Não em São Tomé não", responde um vendedor. E uma vendedora salienta: "Se aqui houvesse coronavírus como noutros países não poderíamos estar no mercado amontoados." Outro refere: "Como não têm morrido pessoas em grande quantidade, as pessoas não estão a encarar as coisas de forma séria. Mas é claro que a doença existe."

Sankt Tomé und Principe | Coronavirus | Markthändlerin

No mercado as vendedoras lavam as mãos regularmente, mas resistem ao uso de máscaras.

Vendedoras ambulantes nos passeios, apesar de "estado de calamidade"

A venda em cima dos passeios voltou a ser habitual nas ruas da capital. O mercado Coco-Coco, que tinha sido encerrado no ano passado, reabriu, registando-se a fuga de comerciantes e vendedoras do novo mercado em Bobo Foro para o centro da cidade. Cidadãos mais cautelosos queixam-se da falta de "autoridade do Estado".

Em São Tomé e Príncipe vigora o segundo estado de calamidade, decretado pelo governo de Jorge de Bom Jesus. O secretário de Estado para o Comércio, Eugénio da Graça, pediu o apoio dos comerciantes e entidades privadas. O horário da função pública foi reduzido, e reforçou-se o apelo ao uso de máscaras e à higienização. Mas muitas dessas medidas estão a ser ignoradas pela população.

O coronavírus já infetou 1672 pessoas em São Tomé e Príncipe e 27 pessoas morreram desde o início da pandemia, enquanto 1288 recuperaram da doença. Os distritos de Água Grande e Mé Zóchi são os mais afetados. Com a promessa de vacinação, financiada pelos doadores internacionais, o país espera conseguir travar a pandemia.

Assistir ao vídeo 02:10

A estratégia de África contra a pandemia


 

Leia mais