RDC: Felix Tshisekedi promete amnistiar presos políticos | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 02.03.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

RDC: Felix Tshisekedi promete amnistiar presos políticos

Felix Tshisekedi prometeu neste sábado (02.3) perdoar presos políticos e disse que irá trabalhar para o retorno dos exilados por razões políticas.

recém-eleito Presidente da República Democrática do Congo (RDC), Felix Tshisekedi prometeu neste sábado (02.3) perdoar presos políticos e disse que iria trabalhar para o retorno daqueles que haviam fugido para o exterior por razões políticas.

"Para consolidar o progresso democrático em nosso país, decidi aliviar as tensões durante estes primeiros 100 dias" de mandato, disse Tshisekedi a autoridades congolesas durante uma cerimônia. Acrescentando que, dentro de 10 dias, concederia "perdão presidencial em favor de presos políticos condenados por uma sentença judicial".

O recém-eleito Presidente da RDC disse ainda que solicitaria ao ministro da Justiça que ordenasse a libertação condicional de pessoas detidas por manifestarem seus direitos, especialmente durante os comícios políticos realizados antes das eleições de 30 de dezembro.

"Retorno rápido"

Fiston Kibongo ist Anhänger von Tshisekedi und sauer auf internationale Einflussnahme auf den Wahlprozess im Kongo (DW/J. Gerding)

Apoiadores de Felix Tshisekedi

"Nesta mesma linha, eu vou trabalhar duro para criar as condições para o retorno rápido de compatriotas que estão agora no exterior por razões políticas, para que possam exercer suas atividades dentro do Estado de Direito e instituições republicanas", disse o Presidente.

Na última quarta-feira (27.2), no entanto, dezenas de pessoas foram presas durante protestos na RDC, segundo ativistas, num incidente que pode representar um novo desafio para Tshisekedi.

O ex-líder da oposição foi empossado como Presidente da República Democrática do Congo em 24 de janeiro, sucedendo Joseph Kabila, que liderava o país desde 2001. Essa foi a primeira transferência pacífica de poder no país desde a independência da Bélgica, em 1960.

Neste sábado (02.3), o novo Presidente apresentou um programa de medidas urgentes a serem tomadas durante os primeiros 100 dias de seu mandato, enquanto comentava sobre a segurança da nação, e ainda questões políticas e sociais.

Tshisekedi prometeu que o sistema judicial seria administrado "por pessoas honestas com valores morais irrepreensíveis e preparados para combater a corrupção" neste que é o segundo maior país da África.

 

Leia mais