Professores em greve na província angolana do Huambo | Angola | DW | 31.05.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Professores em greve na província angolana do Huambo

Professores do ensino geral iniciaram quarta-feira uma greve para pressionar o Governo angolano a repor o salário de 2080 docentes suspensos desde abril. Diretor local da Educação diz que problema está a ser resolvido.

Professores da província angolana do Huambo iniciaram esta quarta-feira (30.05) uma jornada de protesto de três dias contra o Ministério das Finanças, que suspendeu os salários de mais de 64 mil funcionários públicos em todo o país por alegada dupla "efetividade e falta de documentos". 

Os professores decidiram paralisar as atividades no Huambo como forma de pressionar o Governo a reintegrar nas folhas de salário os 2080 docentes desativados na província, aquando do cadastramento dos funcionários públicos, no mês passado.

Nova greve?

O anúncio da greve foi feito pelo porta-voz dos professores, Belchior André. "Se durante a greve a entidade empregadora apresentar as folhas de salário de 100% dos professores afetados, a greve pode ser levantada", disse.

Ouvir o áudio 02:04

Professores em greve na província angolana do Huambo

A primeira fase da greve prolonga-se até sexta-feira (01.06). Se entretanto as reivindicações dos professores não forem atendidas pelo Governo, o Sindicato dos Trabalhadores da Educação, Cultura, Desporto e Comunicação Social promete avançar para a segunda fase da paralisação.

"Caso a situação prevaleça, a greve será retomada a partir das sete horas nos dias 14 e 15 de junho de 2018, nos três períodos, isto é, até às 22:00 horas", acrescentou Belchior André.

Governo promete solução

O diretor da Educação do Huambo, Manuel Sampaio do Amaral, afirmou esta quinta-feira (31.05) que a greve dos professores é um "ato precipitado”. Segundo o governante, o Executivo está a trabalhar para resolver as questões apresentadas pelo sindicato e já começaram a ser reinseridos no sistema os professores que viram os seus dados desativados durante o processo de cadastramento dos funcionários públicos.

"Penso que não é o momento da greve e essa não se justifica, porquanto não se basearam na própria lei da greve e de forma leviana pensaram interromper as aulas. Aliás, esta manhã passamos já por algumas escolas e os alunos estão a afluir nas suas respectivas escolas", afirmou o diretor.

Numa ronda feita pela DW África a várias escolas da cidade foi possível constatar a presença de alunos e a ausência de professores. O sindicato fala numa adesão à greve de 98%.

O diretor provincial da Educação  do Huambo acusa os professores de falta de seriedade. E ameaça tomar medidas para penalizar os grevistas. "Não podemos partir para a desordem, temos de ter consciência das mudanças que vão acontecendo um pouco por todo o lado e temos que ser sérios e firmes. Não vamos vacilar. Vamos fazer tudo para que o problema seja resolvido", explicou. 

Leia mais