Presidente senegalês vai a Moscovo e a Kiev em nome da União Aficana | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 22.05.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Presidente senegalês vai a Moscovo e a Kiev em nome da União Aficana

Macky Sall anunciou que vai deslocar-se à Rússia e à Ucrânia em nome da União Africana, a que preside, após um convite de Moscovo e o desejo manifestado pelo Presidente ucraniano de contactar com líderes africanos.

Macky Sall disse, numa conferência de imprensa conjunta com o chanceler alemão, Olaf Scholz, que tinha recebido um mandato da União Africana para fazer a viagem.

A Rússia tinha feito um convite para esse efeito, adiantou.

A viagem, inicialmente marcada para 18 de maio, não pôde acontecer "por motivos de agendamento", e por isso propôs novas datas, adiantou o Presidente senegalês.

"Assim que estiver resolvido, irei naturalmente a Moscovo, e também a Kiev, e também concordámos em reunir todos os chefes de Estado da União Africana que o desejem, naturalmente, com o Presidente [ucraniano, Volodymyr] Zelensky, que tinha manifestado a necessidade de comunicar com os chefes de Estado africanos", revelou Macky Sall.

Senegal Besuch Kanzler Scholz | Präsident Macky Sall

Macky Sall ao lado do chanceler alemão Olaf Scholz no Senegal

"Isto também acontecerá nas próximas semanas", acrescentou.

A invasão russa da Ucrânia dividiu os países africanos e também atingiu fortemente as suas economias, com o aumento dos preços dos cereais e a escassez de combustível, por exemplo.

O Senegal, com fortes relações com os países ocidentais, surpreendeu em 2 de março ao abster-se numa votação da Assembleia Geral da ONU a favor de uma resolução que exigia "que a Rússia deixasse imediatamente de usar a força contra a Ucrânia".

O Senegal, por outro lado, votou em 24 de março uma segunda resolução exigindo que a Rússia pare imediatamente a guerra.

Quase metade dos países africanos absteve-se ou não votou em ambas as ocasiões.

Assistir ao vídeo 05:35

Ucrânia: ONU alerta para os efeitos nefastos da guerra em países em desenvolvimento

Leia mais