Polícia angolana ameaça reprimir manifestações dos ″revús″ | Angola | DW | 01.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Polícia angolana ameaça reprimir manifestações dos "revús"

As autoridades angolanas negaram autorização a uma marcha pacífica contra fome e desemprego por ser promovida por pessoas afetas ao movimento de jovens que contesta a governação do MPLA.

O protesto convocado pela organização União dos Povos de Angola (U.P.A) para este sábado (01.05) em Luanda não aconteceu, porque a polícia deixou claro que tinha orientações para violentar os "revús" e outros cidadãos que ousassem se juntar à marcha. 

Ao contrário da marcha da U.P.A, a outra manifestação ocorrida na capital angolana este sábado, intitulada "Luanda lixada", contra o foco de lixo em Luanda, não sofreu sobressaltos.

Em declarações à DW África, o presidente do Movimento dos Povos de Angola, o ativista Pedrowski Teka, disse que a sua manifestação não foi autorizada por ser dos "revús". 

"O oficial da polícia que se identificou como inspetor Russo, do comando provincial da polícia, disse-nos que os agentes que estão aqui receberam ordens expressas do governo provincial e da polícia para não permitir a realização da manifestação", conta.

"Porém, há uma outra manifestação que está acontecer a partir do Largo das Heroínas até ao Largo da Sagrada Família. Quanto a esta manifestação, o mesmo disse que foi autorizada. A nossa só não foi autorizada, segundo ele, porque somos ‘revús' e as autoridades têm medo dos 'revús'", disse Pedrowski Teca, que recebeu garantias de que a polícia iria carregar sobre os manifestantes. 

Pedrowski Teka, ativista angolano

Pedrowski Teca: "As autoridades têm medo dos 'revús'"

"Dissabores"

Na zona da padaria do bairro Rocha Pinto, local da concentração da marcha contra a fome e o desemprego, havia vários elementos da polícia de ordem pública, agentes do serviço de investigação criminal e alguns à paisana. Estes estavam a desfazer qualquer ajuntamento de pessoas que se formasse no local.

Muitos dos participantes tiveram que se esconder da polícia para não serem detidos. Pedrowski Teka afirmou que decidiu cancelar a marcha para evitar mais "dissabores" contra os jovens. 

"Há mais polícias aqui. Neste momento, é impossível concentrar as pessoas, porque não estão a permitir a concentração de pessoas. Então, para evitarmos dissabores, decidimos não avançar, porque a polícia impediu a manifestação com ameaça de repressão. A informação que recebemos do inspetor Russo é que eles estão aqui para reprimir", sublinhou.

Outra situação do gênero aconteceu na semana passada. A manifestação contra o desempenho da imprensa estatal foi impedida também com ameaças claras de repressão. As autoridades só iriam autorizar o ato caso os organizadores aceitassem excluir os membros do Movimento Sociedade Civil Contestatária, outra organização de jovens revolucionários que tem realizado manifestações contra os 45 anos de governação do MPLA.

A DW África tentou ouvir um porta-voz da polícia, mas não obteve resposta.

Protesto contra fome

Entretanto, a marcha convocada pela U.P.A decorreu noutras províncias, como Namibe e Moxico.

A manifestação faz parte da campanha contra a fome e desemprego que está a ser promovida pelo Movimento dos Povos de Angola. A mesma conta vários programas, como debates e visita ao aterro sanitário, local onde várias famílias têm decorrido para a procura de alimentos. 

Segundo Pedrowski Teka, a U.P.A vai apresentar ao Governo propostas de combate à fome e ao desemprego em Angola. O ativista afirma que a questão da fome no país é uma situação de emergência.

"A U.P.A não vai parar por aqui. Se a direção da U.P.A decidir que vamos sair às ruas, faremos isso", garantiu.

Assistir ao vídeo 02:32

Angola: Populares do Cuito desesperados em busca de água potável 

Leia mais