Passageiros vítimas de cobranças ilícitas nos comboios do leste de Angola | Angola | DW | 16.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Passageiros vítimas de cobranças ilícitas nos comboios do leste de Angola

Nas províncias do leste de Angola, passageiros que dependem do comboio para se deslocarem para o centro do país queixam-se de cobranças indevidas de valores. Muitos pernoitam ao relento para não perderem a carruagem.

A cidade angolana do Moxico é o ponto de encontro dos cidadãos que se deslocam das províncias da Lunda-Norte, que dista a 450 quilómetros, e Lunda-Sul, a 150 quilómetros da cidade capital, Luena, para se socorrerem da única via de comunicação: a linha férrea que liga o leste ao centro do país.

Mas os passageiros denunciam irregularidades na compra dos bilhetes. Dizem que são obrigados a pagar 2 mil kwanzas (cerca de 2 euros e meio) aos vigilantes das bilheteiras para comprar um bilhete de 6 mil kwanzas (cerca de 7 euros e meio). No final do expediente, o valor arrecadado é repartido com os atendedores.

Uma fonte da empresa que não quis ser identificada revelou à DW África que, no ano passado, o Conselho de Administração do Caminho-de-Ferro de Benguela rescindiu o vínculo laboral com três trabalhadores por causa desta prática que mancha o bom nome da Instituição.

O cidadão Edimilson Agostinho está preocupado. "Acho que deveriam ser mais sérios no regulamento do trabalho, porque estão a prejudicar a população. Há pessoas que não têm capacidade de dar um mil ou dois mil kwanzas para conseguir o bilhete rapidamente, está meio complicada essa situação", lamenta.

Responsabilização dos criminosos

Ouvido pela DW África, o jurista Augusto Tomás pede a responsabilização dos prevaricadores. "Além de procedimentos disciplinares, esses trabalhadores precisam de ser responsabilizados severamente por práticas criminosas e serem condenados para que sirvam de exemplo e, assim, materializemos o fim essencial do Direito Penal, que é a prevenção geral, e punindo-os para que também tenham consciência dos seus atos", defende.

Angola Moxico | Fahrgäste beklagen sich über illegale Gebühren in Zügen

"Estamos a sofrer bastante", lamentam passageiros obrigados a dormir ao relento

Este não é o único problema na estação do Moxico. Para além de darem aos vigilantes uma "micha" para facilitar a aquisição do bilhete, homens, mulheres, idosos e crianças são obrigados a passar a noite ao relento, nesta época de cacimbo, em que a temperatura chega a atingir os 5 graus celsius, à espera de comboio. A direção alega que, por causa da pandemia da Covid-19, não é possível acomodar os passageiros na sala de embarque. 

Atualmente, estão em circulação apenas dois comboios, às terças e sextas-feiras, para transportar mais de 500 passageiros por semana. No início do ano, o Executivo angolano comprou mais duas locomotivas, mas a oferta ainda não é suficiente.

Tratamento desumano

"Estamos a sofrer bastante. Dormir fora com mosquitos, dormir assim neste sítio não está bom", lamenta Margarida Pedro, uma das passageiras afetadas. "Queremos que o Governo nos ajude para dormirmos dentro do salão, porque lá está fechado", apela.

"É desumano e doloroso ver os passageiros de comboio a passarem a noite ao relento, tudo porque não há lugar para se acomodarem", critica o sociólogo João Pedro.

"É dever da empresa criar condições para os seus passageiros. Nota-se uma autêntica violação da dignidade da pessoa humana e isto pode acarretar grandes consequências sociais como a propagação da Covid-19, o aumento da malária e outras doenças", lembra ainda o especialista.

A DW África tentou, sem sucesso, obter uma reação do representante da linha férrea.

Assistir ao vídeo 05:10

Uma visita à estação de comboios de Maputo

Leia mais