ONU critica falta de disponibilidade de políticos guineenses | Guiné-Bissau | DW | 23.02.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

ONU critica falta de disponibilidade de políticos guineenses

O Conselho de Segurança das Nações Unidas está "profundamente preocupado" com a crise política na Guiné-Bissau e critica desrespeito pelo direito a "reuniões pacíficas". Pede ainda eleições "livres e credíveis".

"Os membros do Conselho de Segurança expressaram a sua profunda preocupação em relação à prolongada crise política e institucional, devido à falta de disponibilidade dos atores políticos para alcançar a solução consensual e sustentável", considerou este órgão, numa declaração divulgada esta quinta-feira (22).

Na sua mensagem, o Conselho de Segurança "lamenta a relatada falta de respeito pelo direito a reuniões pacíficas, reconhecido pela Constituição da Guiné-Bissau", numa alusão ao cerco pela polícia, em janeiro, da sede do Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC, vencedor das últimas legislativas), atrasando em dois dias o congresso do partido. 

Também deplora o desrespeito pelos "instrumentos legais" das Nações Unidas, da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e da União Africana. A ONU apela às autoridades de Bissau "para garantir um estrito respeito pelas suas obrigações à luz da lei internacional de direitos humanos".

Assistir ao vídeo 02:23

Crise na Guiné-Bissau impede ratificação do Acordo de Paris

Na mesma posição, o Conselho de Segurança apela à realização de eleições legislativas e presidenciais, respetivamente em 2018 e 2019, que sejam "livres, justas, credíveis e transparentes, incluindo através da total participação das mulheres". 

A declaração deste órgão da ONU surge depois de ter ouvido, no passado dia 14, o representante do secretário-geral das Nações Unidas para este país lusófono, Modibo Touré, e o responsável do Gabinete das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau, o brasileiro Mauro Vieira. Modibo Touré tinha defendido perante o Conselho de Segurança que o prolongamento da crise política guineense requer a presença contínua da ONU na Guiné-Bissau, acompanhando "o processo até ao fim". 

O Conselho de Segurança também elogia as instituições de defesa e de segurança da Guiné-Bissau pela sua "posição de não interferência no processo político", defendendo a reforma destas entidades como "uma prioridade chave". 

Respeito pelo Acordo de Conacri

Sobre as sanções decididas pela CEDEAO a 19 personalidades guineenses, pela obstrução ao cumprimento do Acordo de Conacri, o Conselho de Segurança afirma ter "tomado nota". Para as Nações Unidas, o respeito por este acordo é o "único quadro consensual para encontrar uma solução duradoura para a crise" e cujo pré-requisito é a designação de "um primeiro-ministro de consenso e um Governo inclusivo". 

Os membros do Conselho de Segurança expressaram ainda a intenção de continuar a acompanhar a "atual crise política" e manifestaram-se prontos para "tomar medidas adicionais para responder a um agravamento da situação" naquele país. 

Na declaração, a ONU também elogia o trabalho de organizações regionais na procura de uma solução e encoraja "esforços continuados" da CEDEAO, da União Africana, da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e da União Europeia. 

O Presidente guineense, José Mário Vaz, nomeou no mês passado Artur Silva para chefiar um novo Governo, mas o PAIGC já anunciou que o seu partido não iria aceitar qualquer nome que não fosse o do seu dirigente Augusto Olivais, proposto no quadro do Acordo de Conacri, assinado em 2016, que prevê a nomeação de um primeiro-ministro de consenso.

Leia mais