OMS: Uma em cada sete crianças tem problemas psicológicos na África Subsaariana | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 10.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

OMS: Uma em cada sete crianças tem problemas psicológicos na África Subsaariana

Uma em cada sete crianças na África Subsaariana tem problemas "psicológicos significativos", alertaram neste domingo (10.10) a OMS e a UNICEF, pedindo mais investimentos e acesso aos serviços de saúde mental na região.

Num comunicado conjunto publicado por ocasião do Dia Mundial da Saúde Mental, que se celebra neste domingo (10.10), as duas agências da Organização das Nações Unidas (ONU) indicaram que as crianças e os adolescentes estão sempre em risco de sofrer problemas mentais, especialmente os vulneráveis que enfrentam a pobreza, a discriminação e a violência.

Os efeitos das alterações climáticas, as altas taxas de infeção pelo HIV (o vírus que causa a SIDA), a gravidez na adolescência e as emergências humanitárias também são ameaças constantes ao bem-estar mental de crianças e adolescentes em África.

A covid-19 expôs ainda mais as desigualdades globais, incluindo os cuidados de saúde mental.

As crianças africanas estão sujeitas a ameaças ainda maiores com o encerramento de escolas, nomeadamente uma maior exposição aos conflitos armados e a falta de oportunidades para brincar e socializar com os amigos.

Confinamento agravou a situação

Kindersoldaten in Tschad

"O investimento em saúde mental continua extremamente baixo em África"

Além disso, os longos confinamentos devido à covid-19 aumentaram os casamentos precoces, a gravidez na adolescência e a violência sexual e doméstica contra menores, sobretudo meninas.

No entanto, a OMS e o Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância (UNICEF, na sigla em inglês) realçaram que "a disponibilidade e a qualidade dos serviços de saúde mental para crianças e adolescentes em África são muito deficitários".

Mesmo em países onde há psicólogos e psiquiatras especializados em menores, a média é de apenas um destes profissionais de saúde mental para cada quatro milhões de habitantes.

"O investimento em saúde mental continua extremamente baixo em África, com um gasto público inferior a um dólar ‘per capita' [...]. Não podemos permitir que milhões de crianças que precisam de cuidados não os tenham”, disse a diretora da OMS para a África, Matshidiso Moeti.

Segundo o diretor da UNICEF para a África Oriental e Austral, Mohamed M. Malick Fall, "é urgente abordar a saúde mental das crianças e adolescentes em África".

"Ao longo dos anos, milhões de jovens foram expostos a desafios que seriam muito difíceis de enfrentar para a maioria dos adultos, pois muitas vezes têm que lidar com os impactos psicológicos por si mesmos. Os nossos sistemas ainda lhes estão a falhar", sublinhou Fall.

Lagoa do “Pinu Kuya”: Um perigo a céu aberto em Luanda

Leia mais