Obra para barrar Nilo Azul na Etiópia gera críticas de vizinhos | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 11.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Obra para barrar Nilo Azul na Etiópia gera críticas de vizinhos

Etiópia está a finalizar construção de uma das maiores barragens do mundo. Obra vai barrar passagem do rio Nilo Azul e gerar energia suficiente para abastecer todo o país. Egito e Sudão temem perda de água potável.

Äthiopien Grand Renaissance Staudamm (Reuters/T. Negeri)

Obras de construção da barragem, em março de 2015

No oeste da Etiópia, perto da fronteira com o Sudão, trabalhadores estão a finalizar a construção de uma das maiores barragens do mundo. A obra gigantesca é um projeto de prestígio em Adis Abeba. A intenção é barrar a água do rio Nilo Azul e criar um lago ao longo de 250 quilómetros.

A Etiópia espera poder impulsionar o crescimento económico com a exportação de grandes volumes da energia - a ser gerada pela barragem. O Governo etíope recebeu muitas críticas: Os agricultores da região foram reassentados, e o Sudão e o Egito temem uma perda de água potável. No início de novembro, fracassaram as negociações tripartidas sobre a utilização da barragem.

Ägypten Nil-Fluss

Pescadores às margens do Nilo, no Cairo

Quando terminado, o muro da barragem terá dois quilómetros de comprimento e 150 metros de altura. Guindastes gigantescos balançam blocos de betão e aço. Uma multidão de operários martela, serra e solda um muro enorme.

Na zona árida, a 25 quilómetros da fronteira com o Sudão, está em construção a maior barragem do continente africano. O gestor de projetos, Simegnew Bekele, não esconde o orgulho. "Estamos a avançar bem. A nação inteira está pendente desta barragem. É um projeto de grande prestígio", diz.

Está previsto que a central de energia hidráulica na barragem produza 6.000 megawatts (MW) de energia, mais do que o suficinete para toda a Etiópia e os planos de industrialização e crescimento do país. "Este projeto é um instrumento de combate à pobreza. Vai melhorar a nossa vida. Vai beneficiar toda a gente", defende Simegnew Bekele.

Bekele refere-se a toda África, porque a barragem vai exportar energia. Entretanto, os países vizinhos da Etiópia têm uma opinião diferente. A megabarragem vai bloquear a passagem do Nilo Azul. O rio fornece 86% de água ao Nilo e é de extrema importância para a sobrevivência, sobretudo, no Sudão e no Egito.

Ouvir o áudio 03:12
Ao vivo agora
03:12 min

Obra para barrar Nilo na Etiópia gera críticas de vizinhos

Posição da Etiópia

Contratos assinados há décadas garantem a esses dois países 90% da água do Nilo.

Yilma Seleshi, que dirige a delegação etíope nas negociações em torno da barragem, defende o projeto. "A Etiópia não tem qualquer intenção de prejudicar os países a jusante, seja o Egito, seja o Sudão. Só queremos o nosso direito: A utilização justa e razoável da água", afirma.

Quase dez mil pessoas estão a trabalhar nas obras, 24 horas por dia e sete dias por semana. Originalmente, a conclusão da obra estava prevista para este ano, mas houve atrasos. Ainda vai demorar até que a barragem entre em funcionamento.

"Não se enche uma barragem de um dia para o outro. O enchimento vai ser progressivo, porque a Etiópia respeita os países a jusante. Não somos gananciosos", afirma o ministro etíope das Águas, Alemayehu Tegenu.

Vai levar seis ou sete anos até que o vale do Nilo desapareça debaixo de um lago enorme, mas o conflito político gerado pelas obras ameaça agravar-se. Ninguém sabe ao certo o que o futuro trará. Em todo o caso, o Parlamento egípcio já deixou claro que o país não está na disposição de renunciar a uma única gota d'água.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados