Moçambique: Polícia retém 15 pessoas por suspeita de recrutamento pelos insurgentes | Moçambique | DW | 05.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Polícia retém 15 pessoas por suspeita de recrutamento pelos insurgentes

A polícia moçambicana reteve 15 pessoas na província de Nampula. Grupo estava a ser supostamente recrutado para se juntar aos insurgentes que têm protagonizado ataques em Cabo Delgado.

A informação foi avançada esta quarta-feira (05.03) pelo porta-voz da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Nampula à agência Lusa.

"Trata-se de pessoas recrutadas com falsas promessas de emprego e a polícia achou melhor devolvê-las às suas zonas de origem porque podem também ser alvo desses malfeitores que tem protagonizado ataques em Cabo Delgado", disse Zacarias Nacute.

Segundo a polícia, os homens, com idades entre 18 e 35 anos, foram retidos na última semana quando seguiam para a província de Cabo Delgado, também no norte de Moçambique, alegando ter recebido promessas de emprego para trabalhar como auxiliares de construção civil naquela província. 

O grupo não sabia para quem e onde ia trabalhar, o que levantou suspeitas, avançou Zacarias Nacute e, "por precaução, os homens foram devolvidos às suas zonas de origem".  

"Já tivemos grupos que foram recrutados pelos malfeitores usando as mesmas artimanhas", alertou o porta-voz, referindo que não é a primeira vez que um grupo de pessoas é retido seguindo para Cabo Delgado. 

"Apercebemo-nos que alguns dos nossos compatriotas estão a ser usados para engrossar grupos de insurgentes em Cabo Delgado e, por isso, começamos um trabalho para desencorajar isso", concluiu. 

Grupos armados aterrorizam Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo terrorista Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.500 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e 714.000 deslocados, de acordo com o Governo moçambicano.

Leia mais