Moçambique: Oposição critica medidas ″cosméticas″ de estímulo à economia | Moçambique | DW | 11.08.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Moçambique: Oposição critica medidas "cosméticas" de estímulo à economia

A oposição moçambicana classifica como "eleitoralistas" e "cosméticas" as medidas de estímulo à economia, apresentadas recentemente pelo Presidente Nyusi. E diz que não resolvem problemas como o elevado custo de vida.

Oposição diz que medidas anunciadas não resolvem o problema da fome e da pobreza

Oposição diz que medidas anunciadas "não resolvem o problema da fome e da pobreza"

Os partidos da oposição moçambicana consideram que as medidas de estímulo à economia, anunciadas pelo Governo da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) são decepcionantes.

"As medidas apresentadas pelo chefe de Estado frustram o povo moçambicano e desiludiram o povo, na medida em que as mesmas não resolvem o problema da fome e da pobreza", afirma Ismael Nhacucue, porta-voz do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), o segundo maior partido da oposição no país.

Ismael Nhacucue, porta-voz do MDM

Ismael Nhacucue, porta-voz do MDM

"As medidas são cosméticas e não resolvem os problemas da economia a curto prazo", critica ainda o porta-voz do MDM, que esperava, entre outras medidas, uma redução maior do Imposto de Valor Acrescentado (IVA), além do ponto percentual anunciado pelo Presidente Filipe Nyusi, que coloca o IVA nos 16%.

"Esperávamos que o Governo fosse mais ousado nas medidas, sobretudo de longo prazo, baixando o IVA para 14%. A redução do Imposto sobre Pessoas Colectivas (IRPC) em 10% nos setores da agricultura e transporte urbano é contraproducente", argumenta Ismael Nhacucue.

"Manifesto eleitoral para 2024"

Ossufo Momade, líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), principal partido da oposição em Moçambique, não tem dúvidas: "Eu tenho a máxima certeza que a FRELIMO e Nyusi não estão à altura de resolver os problemas do nosso país."

Ossufo Momade, líder da RENAMO

Ossufo Momade, líder da RENAMO

Para o líder da RENAMO, as medidas anunciadas "não passam de um manifesto eleitoral para 2024", até porque "Filipe Nyusi não tem tempo de resolver aqueles problemas", sublinha.

"Quem é o administrador e governador que vai resolver, se são eles que governam o país desde 1975? O que eles devem fazer é resolver os problemas dos moçambicanos", desafia Ossufo Momade.

FRELIMO otimista

Já a FRELIMO, o partido no poder, elogia o Governo e considera que as medidas vão ajudar no crescimento da economia e desenvolvimento do país. Para tal, segundo Roque Silva, secretário-geral da FRELIMO, é preciso que os moçambicanos se empenhem mais na produção.

"Não sei se imagina o que representa  a redução de 1% de todo o IVA cobrado no país. Mas ele [o Presidente] tomou essa decisão porque sabe que vai ajudar a nossa economia a crescer", destaca.

"A visão dele é investir hoje para colher amanhã. Aquelas medidas sozinhas não vão produzir resultados, mas elas vão produzir resultados se cada um fizer a sua parte do trabalho", conclui Roque Silva.

Moçambique: Criar uma empresa em tempos de pandemia

Leia mais