Manifestantes de Cabinda detidos pela polícia libertados cinco horas depois | Angola | DW | 02.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Manifestantes de Cabinda detidos pela polícia libertados cinco horas depois

Seis manifestantes que pretendiam manifestar-se em frente à embaixada portuguesa foram detidos, segunda-feira, pela polícia angolana e deixados, cinco horas depois, numa zona a caminho do Bengo, sem qualquer explicação.

Comportamento da Polícia angolana volta a ser alvo de críticas (foto de arquivo)

Comportamento da Polícia angolana volta a ser alvo de críticas (foto de arquivo)

Os manifestantes foram detidos depois das 11:00 de segunda-feira (01.02), quando pretendiam manifestar-se em frente à Embaixada de Portugal em Angola. À tarde "foram abandonados na rua por volta das 17:00 a caminho do Bengo", disse à Lusa o presidente da Associação para o Desenvolvimento da Cultura dos Direitos Humanos (ACDH) de Cabinda, Alexandre Kuanga.

Os seis manifestantes "tiveram que desenrascar formas para chegar até às suas casas", conta o ativista dos direitos humanos. "Tem sido assim o comportamento da Polícia Nacional em Luanda e também em outras províncias. Pegam nos manifestantes, alguns deles são abandonados na mata e outros deixam em zonas longínquas para criar dificuldades e inviabilizar o direito à manifestação", acusa.

Alexandre Kuanga diz-se indignado com a atuação da polícia, lamentando a violação da Constituição, que garante o direito dos cidadãos a manifestarem-se. "Não se sabe se a Constituição angolana está para defender, garantir as liberdades fundamentais dos cidadãos ou para garantir a permanência do Governo do MPLA no poder", referiu na entrevista à Lusa.

"Porque é inaceitável que todas as vezes que as pessoas, jovens, pretendem manifestar-se sobre situações que afetam a vida económica, social e até política dos cidadãos, a polícia procura razões para inviabilizar e muito mais os cidadãos de Cabinda", frisou.

"Abandonaram-nos na rua"

O presidente da ACDH disse que durante mais de cinco horas os seus companheiros estiveram fechados na viatura, com dois polícias, que não informaram as razões daquela situação nem o local para onde estavam a ser dirigidos, até que decidiram abandoná-los numa zona que não conseguiram identificar. "Não disseram nada, pura e simplesmente abandonaram-nos na rua depois de cerca de cinco horas a circularem", criticou.

A manifestação, não autorização pelo governo da província de Luanda, foi marcada para o dia 1 de fevereiro, data em que foi assinado o Tratado de Simulambuco, que selou a criação de um protetorado português na região de Cabinda.

A embaixada portuguesa foi o local escolhido para se manifestarem "para que Portugal possa intervir, para que haja paz em Cabindae parem com o conflito que existe em Cabinda, como consequência desse acordo de Alvor em violação do Tratado de Simulambuco", explicou Alexandre Kuanga.

A Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC) luta desde 1975 pela independência daquele território, de onde provém mais de metade do petróleo angolano.

Assistir ao vídeo 01:57

Cabinda: "Medo, isso é coisa do passado!"

Leia mais