Malianos regressam às ruas contra revisão constitucional | NOTÍCIAS | DW | 01.07.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Malianos regressam às ruas contra revisão constitucional

Apesar do adiamento do referendo, cerca de 2 mil pessoas manifestaram-se em Bamako contra o projeto de revisão da Constituição, na véspera da cimeira do G5 Sahel focada no combate ao extremismo islâmico.

Cerca de 2 mil malianos voltaram a sair à rua este sábado, em Bamako, em protesto contra a revisão da Constituição que visa implementar alguns compromissos do acordo de paz assinado em 2015 entre o Governo e os ex-rebeldes tuaregues do norte do país. Entre outras medidas, o projeto prevê a criação de um Senado e de um Tribunal de Contas. No entanto, os críticos afirmam que a revisão da Constituição confere demasiados poderes ao Presidente.

A manifestação – que não foi autorizada, devido à cimeira do G5 prevista para domingo e ao estado de emergência - reuniu menos participantes que as ações anteriores, numa altura em que o referendo à revisão constitucional, inicialmente previsto para 9 de julho, foi adiado, ainda sem data definida.

Vários dirigentes da oposição participaram no protesto deste sábado, incluindo os antigos chefes de Governo Modibo Sidibé e Zoumana Sacko.

"Viemos, mais uma vez, pedir a retirada do projeto de referendo. É demasiado urgente”, explica o presidente do colectivo "Touche pas à ma Constitution" (Não toques na minha Constituição), Sy Kadiatou Sow.

"Uma boa parte do Mali está ocupada. É mais urgente libertar o país do que organizar este referendo”, afirma Moussa Keita, do movimento "Trop c'est trop” (Basta), referindo-se à presença radical islâmica no norte e no centro do Mali.

Mali Bamako Demonstration gegen Verfassungsreferendum

Manifestação contra a revisão constitucional, a 17 de junho

As últimas eleições no Mali, ao nível dos municípios, foram adiadas diversas vezes até terem lugar, em novembro de 2016, em apenas parte do território nacional devido à violência em várias zonas do país.

Força conjunta contra o extremismo islâmico

O norte do Mali caiu em 2012 nas mãos de grupos radicais islâmicos ligados à Al-Qaeda que foram mais tarde expulsos por militares de uma operação francesa lançada em janeiro de 2013.

No entanto, várias zonas continuam fora do controlo das forças malianas, francesas e da ONU e são regularmente palco de ataques, apesar da assinatura do acordo de paz, cujo objetivo é isolar definitivamente os extremistas.

Este domingo, o Presidente francês, Emmanuel Macron, participa na cimeira do G5 Sahel numa demonstração de apoio à força conjunta dos cinco países - Mali, Níger, Burkina Faso, Mauritânia e Chade – contra a ameaça radical islâmica.

Face ao agravamento da situação no centro do Mali, na fronteira com o Burkina Faso e o Níger, os cinco países decidiram em fevereiro reativar o projeto de criação desta força conjunta. A iniciativa recebeu o apoio da União Africana, da União Europeia (com uma promessa de 50 milhões de euros) e do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Mali Macron fordert mehr Einsatz von Deutschland und Europa

Emmanuel Macron visitou as tropas francesas em Gao, no norte do Mali, em maio

A força conjunta deverá concentrar-se inicialmente no Mali, Burkina Faso e Níger, juntando-se à operação francesa "Barkhane”, que combate os radicais islâmicos no Sahel, e à missão da ONU no Mali (MINUSMA).

Na cimeira deste domingo, 2 de julho, o Presidente francês vai anunciar os termos exatos do apoio à força internacional, que deverá passar sobretudo por equipamentos. França espera conseguir chamar outros países a apoiar o financiamento da força conjunta, nomeadamente a Alemanha, a Holanda e a Bélgica. Por outro lado, as autoridades francesas esperam também receber apoio concreto dos Estados Unidos, cuja presença militar passa pelos drones baseados no Níger.

A questão financeira é particularmente sensível. Em junho, Idriss Déby, Presidente do Chade – principal potência militar do G5 - ameaçou retirar-se das operações por motivos de orçamento.

Leia mais