Mali: Junta não admite retorno imediato de civis ao poder | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 25.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Mali: Junta não admite retorno imediato de civis ao poder

Após declarações otimistas, negociações entre militares e missão da CEDEAO terminam sem acordo. Fracasso deixa país da África Ocidental isolado e com futuro democrático incerto. Junta militar espera suspensão de sanções.

Mali Bamako Verhandlungen zwischen ECOWAS und Militärführern | Assimi Goita

Assimi Goita liderou o golpe militar

A junta que está no poder há uma semana no Mali e os emissários da África Ocidental concluíram o terceiro dia de negociações nesta segunda-feira (24.08) sem chegar a um acordo sobre as condições para a instalação de um Governo civil.  A duração da transição e quem irá liderar o país nesse período foi o principal ponto de discordância.

Os militares tinham a ideia inicial de uma transição de três anos liderada por um integrante da corporação – que assumiria também a posição de chefe de Estado. A posição estava muito longe das exigências da Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) e do prazo "razoável" em que a junta prometeu eleições gerais.

Confrontada pela primeira vez com protestos nas redes sociais, a junta reviu a posição. Na segunda-feira (24.08), segundo o chefe da diplomacia do Níger, Kalla Ankourao, os militares reduziram o período de transição militar para dois anos.

Mali Proteste in Bamako

Apoio popular surpreendeu CEDEAO

Os diplomatas da CEDEAO queriam o retorno imediato à "ordem constitucional”, mas acabaram por abandonar essa ideia,dado o apoio popular ao golpe após meses de protestos contra o ex-Presdiente Ibrahim Boubacar Keita - no âmbito do colapso da economia, do agravamento da insegurança e da contestação dos resultados das eleições legislativas.

Segundo o líder da equipa de mediação, o antigo Presidente nigeriano Goodluck Jonathan, Keita não pretende voltar ao poder. "Disse-nos que se demitiu, que não foi forçado a demitir-se, e não está interessado em governar outra vez. Quer uma transição rápida para que o país volte a um Governo democraticamente eleito", esclareceu.

A junta sublinha que quer devolver o poder aos civil, mas que não foi estabelecido o prazo para a realização de eleições. "Houve discussões e cada lado tem a sua posição. Nada está finalizado, nada está decidido. A arquitetura final da transição será decidida entre nós, malianos", disse o porta-voz da junta, Ismael Wagué.

A CEDEAO concorda que a decisão cabe aos malianos: "Quer seja um Governo eleito ou um Governo de transição nomeado, tem de ser decidido pelo povo maliano. A responsabilidade da CEDEAO é dizer que temos protocolos que regem a sub-região", lembra Jonathan.

Mali Bamako Verhandlungen zwischen ECOWAS und Militärführern

Negociações fracassaram

Sanções e isolamento

A junta militar espera que a CEDEAO levante as sanções anunciadas dois dias após o golpe. Os chefes de Estado vizinhos anunciaram o encerramento das fronteiras dos Estados membros da organização, bloqueando as saídas do Mali o mar. Também decidiram travar todos os fluxos financeiros e comerciais, exceto para as necessidades básicas e produtos utilizados na luta contra o Covid-19.

A missão da Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) relatará os detalhes das negociações aos líderes da região em reunião marcada para quarta-feira (26.08). No encontro os representantes dos países vizinhos discutirão se agravam ou retiram as sanções impostas após o golpe.

A antiga ministra dos Negócios Estrangeiros, Sy Kadiatou Sow - que integra Movimento do 5 de junho - Reunião das Forças Patrióticas (M5-RFP) – defende que os militares precisam de tempo para organizar a transição. "O importante para nós é que esta transição corresponda às expectativas do povo maliano. E não dizer ‘rápido, vamos organizar eleições'. É preciso condições para organizar eleições, é preciso reformas. Esta é uma oportunidade histórica para o nosso país", disse.

A comunidade internacional, por sua vez, teme o agravamento da instabilidade na região com o prolongamento da situação. Observadores alertam que se a CEDEAO aceitar o prazo de três anos proposto pelos militares para a transição política no Mali, vai abrir um precedente arriscado. Os exércitos dos países vizinhos - como o Burkina Faso, o Chade e o Níger - poderão tirar partido da insegurança para alterar as estruturas de poder.

 

Assistir ao vídeo 03:40

Esta é a minha cidade: Segu