Madeira ilegal transformada em carteiras em Moçambique | Moçambique | DW | 30.11.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Madeira ilegal transformada em carteiras em Moçambique

Em Nampula, mais de metade dos alunos do primário e secundário estudam sentados no chão por falta de carteiras. Mas o Governo já começou a distribuir carteiras feitas com madeira ilegal, confiscada na "Operação Tronco".

default

Crianças de Nampula nas carteiras feitas a partir de madeira ilegal

Sania Salvador, de 7 anos, frequenta a 2ª classe na Escola Primária de Muthita, na cidade de Nampula. É um dos vários estabelecimentos de ensino da província mais populosa de Moçambique que enfrenta problemas sérios de falta de carteiras.

''Na nossa escola não tem muitas carteiras, costumamos sentar-nos na capulana [estendida no chão]'', disse.

Mosambik Nampula | Gouverneur Victor Borges (DW/S. Lutxeque)

Victor Borges, governador de Nampula

Neste ano letivo, que estás prestes a terminar, já em dezembro, inscreveram-se mais de um milhão de alunos nas escolas primárias e secundárias de Nampula, mas mais de metade estuda sentada no chão.

O Governo moçambicano está a tentar solucionar o problema. E já começou a distribuir em todo o país carteiras escolares, feitas a partir de madeira apreendida na ''Operação Tronco'' - campanha lançada em março pelo Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural.

Mais carteiras graças a madeira ilícita

No último sábado (25.11), o governador provincial Víctor Borges entregou mais de 500 carteiras às escolas de Nampula e assegurou o seguinte: ''Através deste programa de produção e distribuição de carteiras, vamos até finais deste ano 10 mil carteiras. No próximo ano vamos receber 80 mil carteiras, oito vezes mais a quantidades deste ano.''

Ouvir o áudio 02:21
Ao vivo agora
02:21 min

Madeira ilegal transformada em carteiras em Moçambique

Mariana Atumane, mãe e encarregada de educação, elogia o programa de produção e distribuição de carteiras.

''Com esta iniciativa reduzir-se-á significativamente o número de crianças que estudam sentadas no chão, facto que poderá contribuir para a melhoria da qualidade de ensino e o bem estar dos nossos filhos'', afirmou.

O governador da província, Vítor Borges, prometeu que, em breve, o problema da falta de carteiras será coisa do passado: ''Em 2019 vamos receber 58.500 carteiras, ou seja, até 2019, Nampula vai receber 148.500 carteiras, isso vai permitir que nenhum aluno a partir de até 2019 estude sentado no chão. Mas não basta produzir e distribuir carteiras, queremos pedir aos pais e encarregados de educação, aos alunos e a toda a sociedade para conservar essas carteiras.''  

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados