Liga Guineense dos Direitos Humanos quer demissão do ministro do Interior | Guiné-Bissau | DW | 15.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Liga Guineense dos Direitos Humanos quer demissão do ministro do Interior

A organização de direitos humanos da Guiné-Bissau acusa Botche Candé de "incapacidade em garantir a segurança" da população e por "interferência arbitrária na esfera privada dos cidadãos".

A Liga Guineense dos Direitos Humanos (LGDH) quer a saída do Governo do ministro do Interior, Botche Candé, a quem acusa de "incapacidade em garantir a segurança" das pessoas e ainda por "interferência arbitrária na esfera privada dos cidadãos".

Em nota de imprensa, aquela organização reage aos incidentes que ocorreram na sexta-feira (14.05) na comunidade de Cuntuba, no leste da Guiné-Bissau, onde, diz a organização, as forças de ordem envolveram-se em escaramuças com os habitantes locais.

"Segundo as informações recolhidas pelas células de alerta precoce da LGDH, tudo aconteceu quando um grupo de forças de segurança invadiu a referida aldeia, em cumprimento de uma suposta ordem superior para impedir a realização das orações de Ramadão, assinalada pela maioria da comunidade islâmica do país no dia 13 de maio", refere a nota da Liga.

A comunidade de Cuntuba estaria a preparar-se para a reza do final de 30 dias do jejum muçulmano, na sexta-feira, um dia depois de a grande maioria de fieis islâmicos guineenses a terem feito.

Confrontos

Os confrontos deram-se quando a polícia ordenou aos fiéis que dispersassem do local da reza. "Esta intervenção arbitrária, desproporcional e abusiva das forças de segurança, resultou em nove feridos, entre os quais seis membros da comunidade de Cuntuba e três agentes das forças de segurança", lê-se ainda no comunicado da organização.

Um dos agentes feridos e a receber tratamento no hospital de Bafatá é o comandante da polícia da região, João Vilela da Silva. Por este incidente de Cuntuba e por "outros casos de espancamentos abusivos de cidadãos perpetrados impunemente" pelas forças de segurança, a Liga exige a demissão imediata do ministro do Interior e de todos os responsáveis pela segurança daquele ministério.

 A Liga exorta ainda o Ministério Público a abrir um inquérito "urgente e transparente" para apurar responsabilidades dos envolvidos.

Assistir ao vídeo 02:22

Guiné-Bissau inicia vacinação contra a Covid-19 em plena greve da Saúde

Leia mais